Setor de inteligência tem menor verba

Área fundamental recebeu apenas 0,59% dos R$ 34,8 bi investidos no País; São Paulo destinou R$ 5,1 milhões

Renato Machado, Liège Albuquerque e Luciano Coelho, O Estadao de S.Paulo

09 Outubro 2008 | 00h00

Os gastos com segurança pública no País atingiram R$ 34,8 bilhões no ano passado, um crescimento de 13,1% em comparação com 2006. Dados do 2º Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública mostram que grande parte dessa quantia - R$ 10,2 bilhões - foi para o policiamento, incluindo principalmente folha de pagamento e manutenção. Embora tenha crescido 76% no ano passado, o investimento em informação e inteligência - apontado como fundamental por especialistas - foi só de R$ 205 milhões, o que corresponde a 0,59% do total. A íntegra do Anuário, com números da segurança em cada Estado do País São Paulo foi novamente o Estado que mais investiu em segurança pública. Foram R$ 7,6 bilhões, 7,1% a mais do que 2006. Mas a participação da segurança no orçamento caiu para 7,9% - era de 8,5% em 2006. "O orçamento do Estado aumentou como um todo no ano passado, por causa de obras do Metrô e do Rodoanel e, por isso, se reduziu a participação da segurança", afirma o secretário-adjunto de Segurança Pública, Guilherme Bueno de Camargo. Proporcionalmente, Minas é onde a segurança consome maior parcela do orçamento (13,2%). O investimento em informação e inteligência apresentou grandes variações em praticamente todos os Estados. Segundo o sociólogo Renato Lima, um dos coordenadores do Anuário, isso acontece porque os gastos não são contínuos e podem subir em um ano, por causa de uma melhora pontual na estrutura. Pernambuco, por exemplo, gastou nessa área R$ 200 mil em 2006 e aumentou em 419% os investimentos no ano seguinte. "Isso pode incluir a compra de um software ou sistema de comunicação e esse número pode cair no próximo ano." Pelo segundo ano consecutivo, porém, o Paraná foi o Estado que mais investiu em inteligência, cerca de R$ 18 milhões, seguido de Rio Grande do Sul e Amazonas. São Paulo é o quarto, com R$ 5,1 milhões. Os paulistas, por outro lado, são os que mais gastam com policiamento: foram R$ 4,8 bilhões no ano passado, quase quatro vezes mais do que o Paraná, o segundo na lista. Em relação a 2006, esses gastos aumentaram 12,7%. EXTREMOS A edição deste ano do Anuário ainda traz dois extremos: o Amazonas aumentou em 124,5% seus gastos, enquanto o Piauí reduziu em 70,8%. Para tentar conter a escalada da violência que acompanha o crescimento da capital amazonense e principalmente de municípios nos arredores de Manaus, a Secretaria de Estado de Segurança Pública fez um investimento pesado em aparelhamento e reciclagem de policiais. Foram investidos mais de R$ 55 milhões, que vão desde compra de armamentos e computadores ao aumento do monitoramento por câmeras em pontos críticos de Manaus. "Nós queremos apostar que os números da violência estarão baixos como nunca no início do próximo ano", afirma o secretário de Segurança, Francisco Cavalcante. REDUÇÕES Já o Piauí teve menos da metade da média nacional em número de homicídios, embora tenha reduzido os investimentos em policiamento. Segundo o secretário estadual de Segurança, Robert Rios Magalhães, a redução se deu porque houve diminuição da criminalidade. A injeção de recursos é inversamente proporcional aos índices de criminalidade. O ano de 2007, segundo ele, foi de planejamento, mas em 2008 haverá uma explosão em investimentos para montar uma estrutura sólida de segurança no Estado. Há previsão de investimentos para a construção de 70 delegacias e 10 quartéis da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros em pontos estratégicos. Ainda será erguido um novo Instituto Médico-Legal e um Instituto de Criminalística, além de se fazer a compra de viaturas para todos os 224 municípios do Estado. "A Segurança no Estado é muito boa para uma unidade pobre que ainda tem áreas de conflito social e territórios de injustiça. Acho que a segurança é bem distribuída e está bem organizada", comentou. "Conseguimos reduzir os índices de homicídio com trabalho.", RANKING POR CRIME Roubos de veículos: São Paulo - 65.195 registros em 2007 Roubo de carga: SP - 6.192 Roubos em transporte coletivo: Rio - 10.251 Roubos em residência: Rio de Janeiro - 1.667 Seqüestro relâmpago: Distrito Federal - 410 (São Paulo e Rio Grande do Sul sem estatísticas) Seqüestros (com cativeiro): Minas - 134 ( São Paulo e Rio Grande do Sul não divulgaram dados) Estupro: Rio - 1.303 casos Mortes não esclarecidas: Rio de Janeiro - 2.007 Crimes praticados por menores: Minas - 51.904 Homicídio culposo de trânsito - Rio - 2.459 (São Paulo não divulgou os dados) Delitos envolvendo drogas: São Paulo - 46.903 (tráfico e posse) Crimes contra o meio ambiente: Minas - 7.737 Racismo, preconceito e discriminação - Rio - 709 Tortura: Rio - 54 casos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.