Severino Cavalcanti continuará longe da Câmara

O candidato a deputado federal pelo PP de Pernambuco, Severino Cavalcanti, que esperava voltar à Câmara com uma grande votação, acabou ficando de fora. Com pouco mais de 53 mil votos, o ex-presidente do Legislativo não passou do oitavo mais votado de sua coligação, da qual fazia parte o PP, que só conseguiu sete vagas. Durante a campanha, seus assessores garantiam que pretendia superar os 82 mil votos obtidos em 2002. Ao aparecer ontem para votar, o ex-deputado - que renunciou depois do escândalo do mensalinho, em que foi acusado de cobrar propinas para ceder direitos de uso do restaurante da Câmara - acabou se complicando: sem entender direito as teclas e os números, levou pelo menos cinco minutos para votar. Severino foi ajudado por mesários e pela filha, Ana Cavalcanti, que era candidata à reeleição como deputada estadual, também pelo PP. Além disso, Severino passou à frente da fila de eleitores que aguardavam a vez de votar, beneficiando-se de uma prerrogativa dos candidatos. Ele tem 74 anos. Do lado de fora da cabine, a filha e os mesários orientavam o ex-presidente da Câmara. ?Eu quero votar na minha filha?, disse Severino, antes de ser advertido por um dos mesários de que já estava no voto para senador.No final da tarde, Severino avisou que iria permanecer em João Alfredo para aguardar os resultados - no caso, sua derrota.

Agencia Estado,

02 de outubro de 2006 | 03h05

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõeseleições 2006

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.