Divulgação
Divulgação

Sexto PM é condenado pela morte de juíza Patricia Acioli no Rio

Policial perdeu cargo e pegou pena de 36 anos de prisão; outros 5 devem ser julgados em 2011

Adriano Barcelos e Marcelo Gomes , O Estado de S.Paulo

07 Dezembro 2013 | 00h19

RIO - O tenente Daniel Santos Benitez Lopez, um dos 11 PMs acusados de envolvimento no assassinato da juíza Patricia Lourival Acioli, em 11 de agosto de 2011, foi condenado nesta sexta-feira, 6, pelo Tribunal do Júri de Niterói, na Região Metropolitana do Rio. Depois de 11 horas de julgamento, Lopez foi considerado culpado nas duas acusações e recebeu pena de 36 anos de prisão em regime inicialmente fechado. Ele perdeu ainda sua função pública.

O tenente foi o sexto PM condenado pela morte da juíza, de um total de 11 denunciados pelo Ministério Público. Os cinco que faltam deverão ir a julgamento no ano que vem. O tenente-coronel Cláudio Oliveira, que comandava o 7º Batalhão da PM (São Gonçalo), é acusado de ser o mandante do crime - e ainda aguarda julgamento.

Então titular do 4º Tribunal do Júri de São Gonçalo, a juíza Patrícia Acioli, de 47 anos, foi assassinada com 21 tiros na porta de casa, em Niterói, município vizinho. Ela vinha atuando em diversos processos em que PMs de São Gonçalo eram acusados de forjar autos de resistência, isto é, mortes de suspeitos em confronto com a polícia.

Mais conteúdo sobre:
Patricia AcioliRIoSão Gonçalo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.