Tomaz Silva/Agência Brasil
Tomaz Silva/Agência Brasil

Siciliano atrela mandado de busca ao fim da intervenção federal no Rio

Ele é investigado por suposta participação em esquema de grilagem de terra que pode ter relação com o assassinato da vereadora Marielle Franco

Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

14 de dezembro de 2018 | 17h32

RIO - Após mais de cinco horas prestando esclarecimentos, o vereador Marcello Siciliano (PHS) deixou por volta das 16h desta sexta-feira, 14, a Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente, na Cidade da Polícia, zona norte do Rio, onde esteve desde as 10h30. Ele é investigado por suposta participação em esquema de grilagem de terra que pode ter relação com o assassinato da vereadora Marielle Franco

Pela manhã,  policiais civis recolheram objetos em seis endereços relacionados a Siciliano, inclusive em seu gabinete na Câmara dos Vereadores, no centro da cidade.

Siciliano nega qualquer envolvimento com esquema de grilagem e se diz surpreendido pelas investigações. O vereador ainda associa as apreensões feitas em seus imóveis a uma tentativa da equipe de intervenção federal na segurança do Rio de dar uma resposta à execução de Marielle.

"Vim aqui mais uma vez me colocar à disposição da Justiça. Hoje, aos 44 do segundo tempo, quando a intervenção está para acabar, fazem uma busca na minha casa", disse o vereador ao deixar a delegacia. 

Siciliano afirmou ainda que os mandados de busca e apreensão foram expedidos por "uma vara que não sei qual é". Argumentou também ter sido incluído no processo de investigação do assassinato de Marielle como testemunha e que não teve "acesso aos autos". 

Há sete meses o vereador prestou depoimento no caso Marielle após ser acusado por Orlando de Oliveira Araújo, conhecido como Orlando de Curicica, de envolvimento no assassinato da vereadora e seu motorista, Anderson Gomes. "Hoje estou aqui passando mais uma vergonha, expondo minha família,  meus filhos. É uma coisa até covarde contra a verdade da morte de Marielle", acrescentou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.