Silêncio rompido

JOSÉ SERRA

, O Estadao de S.Paulo

20 de março de 2010 | 00h00

GOVERNADOR DE SÃO PAULO

"São cinco pontos de diferença. Mas não me assusta não, até porque eu estava prevendo."

"Pela grande exposição dela (Dilma) e também pelo grau de crescimento que tem o PT. O PT tem sempre no mínimo 30%."

"Acho que vai ter muito tempo pela frente e esse efeito (Dilma) vai passar."

"Faltam poucos dias (para confirmar a saída do governo de São Paulo). No começo de abril"

"Não estou negando. Apenas dizendo que neste momento, enquanto eu estiver no governo, não vou fazer campanha."

"Não estou demorando. Tem seis meses para fazer campanha eleitoral."

"Campanha para mim é depois. Eu não antecipei. Meu trabalho de governador ficou sendo meu trabalho de governador e vou fazer isso até o último momento."

"(Vice) É assunto para ser resolvido no fim de maio, junho."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.