Silvio Santos não controlou a tensão e foi sedado

O empresário Silvio Santos bem que tentou assumir o controle da situação quando soube do seqüestro da filha Patrícia Abravanel. No dia do crime, há uma semana, telefonou para autoridades e divulgou um dramático apelo para que a imprensa não noticiasse o caso. A tensão, no entanto, o venceu. No início desta semana, passava a maior parte do tempo sedado e deitado. A pressão alta deixou os médicos em estado de alerta: eles temiam até mesmo um derrame.No começo da tarde do dia 21, horas depois do seqüestro, a assessoria de comunicação do SBT, através do jornalista Carlos Brickman, solicitou aos jornais e emissoras de rádio e TV que não divulgassem o caso. No início da noite, Silvio Santos mandou entregar aos jornalistas reunidos na porta de sua casa uma nota manuscrita.Nota?Meus colegas, gostaria que vocês me ajudassem neste momento. Prometi aos responsáveis pelo acontecimento que não envolveria a polícia e a imprensa. A vida de minha filha Patrícia depende da minha palavra empenhada e da colaboração de vocês. Quando tudo terminar, prometo que tudo será revelado pela própria Patrícia (se Deus permitir). Por favor, deixem que nós tenhamos um pouco de paz para esperarmos com paciência os próximos dias de angústia e aflição. Que Deus ouça nossas preces e que tudo termine bem.?Num primeiro momento, Silvio Santos propôs-se a negociar o pagamento do resgate ? e, a cada ligação, pedia ao seqüestrador que não maltratasse a filha. Parentes e amigos foram orientados pela sua mulher, Íris, a não telefonar para a residência. Com isso, tios e primos de Patrícia visitaram a família durante todo o tempo do seqüestro para ter notícias. Os últimos contatos com os seqüestradores, pelo telefone covencional, foram feitos pelo cunhado de Silvio Santos, o ex-vice presidente do SBT, Guilherme Stoliar. FHCO presidente Fernando Henrique Cardoso ligou no dia do crime para Silvio Santos ? e voltaria a fazê-lo várias vezes no decorrer do seqüestro. ?Foi uma manifestação, basicamente, de solidariedade?, disse o porta-voz da presidência Georges Lamazière, no dia 21. Ele não soube informar se, durante a conversa, o presidente e o empresário falaram da necessidade de intervenção da Polícia Federal para solucionar o caso.Em São Paulo, no dia 21, o superintendente da Polícia Federal, Itanor Neves Carneiro, reuniu delegados e agentes e avisou que ficassem de ?prontidão?. Segundo ele, a orientação do ministro da Justiça, José Gregori, era fornecer todo tipo de auxílio à polícia paulista, se ela solicitasse. A PF estaria disposta a deslocar policiais de Brasília e Goiás ? os mesmos que trabalharam na prisão da família Oliveira, responsável pelo seqüestro de Wellington de Camargo, irmão dos cantores sertanejos Zezé di Camargo e Luciano.Na quarta-feira, um dos irmãos de Silvio, Henrique Abravanel, disse que a família continuava rezando. ?A esperança é de que Patrícia volte o mais rápido possível e tudo esteja bem com ela?, afirmou.RotinaOs Abravanel sempre andaram sem seguranças. ?Silvio acreditava que, por ser muito conhecido em São Paulo, jamais fariam mal a ele ou a um dos parentes?, disse um funcionário da diretoria do SBT que pediu anonimato.Há algum tempo o empresário mandou blindar os carros da família. Segundo o funcionário do SBT, o maior temor de Silvio Santos era o de que as filhas sofressem assaltos nos cruzamentos e seqüestros relâmpagos. ?Jamais um seqüestro visando um resgate.?Na véspera do seqüestro da filha, Silvio Santos tinha acabado de chegar de uma viagem ao exterior. Ficara fora uma semana e precisava pôr em dia gravações de seu programa. O expediente, marcado até então para quinta-feira, foi cancelado após o crime. Uma decisão óbvia? Nem tanto. Silvio Santos demorou a convencer-se de que não teria condições de posar como animador diante das câmeras.DomingoAté quinta-feira, a direção de Programação do SBT não sabia como organizaria os horários e atrações do domingo. No fim de semana, os funcionários souberam da decisão do patrão: não apresentaria mais nada até o reaparecimento da filha.Até pela questão operacional ? e vale lembrar que Silvio Santos é o único dono de TV a também aparecer na tela ?, a apreensão tomou conta dos funcionários. Mesmo os menos bajuladores solidarizaram-se, senão pelo patrão, por Patrícia, que a maioria conhecia.O episódio ocorreu numa semana cuja expectativa apontava no sentido contrário. Em razão dos 20 anos comemorados pela rede no dia 19, os funcionários festejavam a data e a estréia, segunda-feira, da primeira novela produzida pela casa após quatro anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.