Silvio Santos pediu para falar com Alckmin, diz policia

A participação do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), no desfecho do seqüestro do empresário Silvio Santos só ocorreu pela predisposição do próprio governador e não por exigência do seqüestrador Fernando Dutra Pinto. A afirmação é do capitão Diógenes Viegas Della Lucca, comandante do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) da Polícia Militar, que negociou a rendição do criminoso.Segundo o capitão, foi Silvio Santos quem pediu para falar com Alckmin. ?O Fernando foi um marionete dentro da situação. Ele (Silvio Santos) criou uma legitimidade, aproveitando o seu poder dentro do cenário nacional, e fez com que isso se transformasse numa ferramenta útil.?O comandante geral da Polícia Militar, coronel Rui César Melo, ligou para o secretário de Segurança Pública, Marco Vinicio Petrelluzzi, para expor a situação. Após um tempo, Petrelluzzi disse a Melo que Alckmin estava disposto a ir até o local. ?Nós somente aproveitamos essa predisposição positiva?, disse Lucca. ?Não encaramos (a participação de um governador de Estado em negociação com seqüestrador) como abertura de precedente, pois nossa meta é preservar a vida. Se for preciso, em outra situação excepcional, trazer quem quer que seja para assegurar um bom resultado, nós faremos isso.?Mello disse que a presença de Alckmin foi a melhor saída. ?O grupo poderia lidar sem o governador, mas não poderia garantir qual seria o resultado. Jamais se troca o seguro pelo duvidoso.?A PM divulgou uma fita editada com imagens do interior da casa de Silvio Santos durante a negociação com o seqüestrador. Das quase 7 horas de gravação feita pelos PMs, foram apresentados cerca de 8 minutos. As imagens mostram momentos de tensão, quando policiais pedem para que a porta da cozinha, onde Fernando mantinha o empresário, não fosse aberta. Quase todo o diálogo foi feito com a porta fechada. Já no fim da negociação, o capitão Lucca diz ao empresário que Alckmin já está no local para validar a garantia de que Fernando seria retirado de lá com vida.?Oriente o governador para que ele diga o que a gente vai fazer?, solicita o empresário, que ainda pede uma calça para se vestir ? estava apenas de cuecas e camiseta. Logo em seguida, Lucca dá um recado a Fernando. ?Sei que você é conhecedor de armas. Entregue elas (o seqüestrador tinha uma pistola e um revólver) sem o pente e com o tambor aberto.? Após o recado, Alckmin, protegido por escudos dos PMs, se aproxima e diz: ? Silvio, é o governador, Geraldo Alckmin. ? Governador? É o senhor? ? responde o empresário. ? Exatamente, Silvio. Nós estamos perfeitamente de acordo (sobre preservar a vida de Fernando). Aliás, estou aqui como governador do Estado exatamente para atestar total garantia à integridade física e à vida do Fernando. É só seguir a orientação do doutor Lucca, que é experiente, está sob o nosso comando e vai fazer os procedimentos adequados (...). Dada a minha palavra, vou passar para o doutor Lucca para fazer os procedimentos. Fique tranqüilo ? conclui Alckmin.Silvio Santos sai na frente. ?Vem comigo, Fernando?, diz. ?Revista ele (Fernando)?, pede aos PMs. O seqüestrador sai com as mãos para cima (em seguida, seria levado para um banho na suíte de Silvio Santos). De cuecas e camiseta, o empresáro procura o governador, abraça-o e agradece por sua presença.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.