Sindicalista é executado em Belém

O diretor do Sindicato dos Rodoviários de Ananindeua, município da região metropolitana de Belém, Rubervan das Chagas Vanderlei, foi assassinado na madrugada de hoje quando fazia piquete em frente a uma empresa de ônibus. Um desconhecido o matou com três tiros. Vanderlei era um dos líderes da greve que há três dias tirou das ruas da região metropolitana de Belém mais de 2.800 ônibus, deixando sem transporte cerca de 2 milhões de pessoas.A categoria reivindica 18% de aumento salarial e aumento do valor do tíquete alimentação de R$ 105 para R$ 140. Em protesto contra o crime, cerca de 500 motoristas e cobradores de Belém e Ananindeua fecharam a rodovia BR-316, apedrejaram veículos e saíram em passeata pela capital paraense, prometendo manter a greve."Foi crime de encomenda", disse o presidente do Sindicato dos Rodoviários de Belém, Natalino Farias. Ele disse que a morte de Vanderlei reforça a greve. "A culpa por isso tudo é dos patrões, que se recusam a atender a proposta dos trabalhadores", afirmou.Uma testemunha disse que o homem teria chegado com a intenção de matar e disparou três tiros. Antes, teria perguntado à vítima: "Não tem ônibus, hoje?". Como a resposta foi "não", o homem, aparentando ter menos de 20 anos, sacou o revólver e atirou à queima-roupa.O Tribunal Regional do Trabalho fixou multa diária de R$ 100 mil se os rodoviários e as empresas de ônibus não colocarem pelo menos 40% da frota nas ruas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.