Sindicalista pode ter sido morto por vingança

Vingança. Esta é a hipótese investigada pelos policiais da Delegacia de Homicídios de Guarulhos, na Grande São Paulo, para o assassinato do sindicalista Maurício Alves Cordeiro, de 42 anos.O crime aconteceu na tarde de quinta-feira, na esquina das Ruas Jaiminho e Arminda de Lima, a 50 metros da sede do Sindicado dos Condutores de Veículos Rodoviários em Transportes Urbanos e Anexos de Guarulhos, presidido por Cordeiro.O sindicalista voltava do almoço quando foi baleado. Segundo testemunhas, um homem de aproximadamente 28 anos disparou três tiros e fugiu a pé. Dois disparos acertaram a nuca de Cordeiro, que morreu antes de ser socorrido.Os diretores do sindicato ouvidos pela polícia disseram que o presidente recebia constantes ameaças de morte por telefone. "Ele trocou de celular algumas vezes, andava sempre sozinho e dizia que não se intimidava", disse Juraci Alves dos Santos, diretor do sindicato.A hipótese de crime político também não está descartada. Cordeiro não procurava a polícia. Dizia aos colegas do sindicato que "era muito homem" e estava disposto a enfrentar os desafetos. O assassino teria procurado o presidente, no sindicato, horas antes do crime.A descrição do autor dos tiros coincide com a do rapaz que esteve perguntando pelo sindicalista. Os investigadores encarregados das apurações analisaram uma fita de vídeo entregue pela segurança do prédio na frente do sindicato.A esperança dos policiais é encontrar entre as pessoas que aparecem na fita o homem que teria sido visto no sindicato perguntando por Cordeiro e depois atirando no sindicalista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.