Sindicato faz protesto contra assédio sexual à metalúrgica

O Sindicato dos Metalúrgicos de Campinas e Região promoveu um protesto em frente à indústria Matex, em Indaiatuba, hoje, no início da manhã, contra a prática de assédio sexual, denunciada por uma funcionária da empresa. A funcionária registrou um boletim de ocorrência na Delegacia da Mulher da cidade, em que acusa um gerente da fábrica de ter cometido assédio sexual. A Delegacia da Mulher de Indaiatuba confirmou o boletim de ocorrência, informando que o gerente foi convocado a depor mas não compareceu no dia marcado e será novamente convocado. O advogado da indústria, Rene Marcos Sigrist, afirmou que o gerente não foi chamado a depor e que a empresa não havia sido notificada da denúncia. "Ficamos sabendo do boletim de ocorrência por terceiros, mas ainda não tive acesso a ele", garantiu o advogado. De acordo com o sindicato, pelo menos quatro mulheres foram assediadas pelo mesmo gerente. A assessora de imprensa da entidade, Cláudia Medeiros, disse que as outras três não tiveram coragem de procurar a polícia.O gerente, conforme Claudia, teria prometido efetivar uma funcionária temporária se ela concordasse em sair com ele e teria invadido o vestiário feminino enquanto outra suposta vítima se trocava. O boletim de ocorrência foi registrado no final do mês passado, disse a assessora.De acordo com Sigrist, a empresa pode registrar uma ocorrência contra o sindicato por impedir a entrada de funcionários na fábrica na manhã de ontem (08). Cláudia negou e afirmou que a participação dos funcionários no protesto foi voluntária. Segundo ela, a indústria tem 30 empregados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.