Sindicato: funcionários devem sair de guichês em tumultos

A presidente do Sindicato Nacional dos Aeroviários, Selma Balbino, recomendou na segunda-feira, 2, que os funcionários de empresas aéreas abandonem os guichês quando acontecerem tumultos nos aeroportos por causa da crise no tráfego aéreo. Segundo ela, a recomendação é para garantir a proteção dos trabalhadores, que acabam agredidos, física ou verbalmente, por passageiros irritados com a impossibilidade de viajar. ?Devem abandonar o check-in para evitar agressões, pois os funcionários ficam em uma posição muito difícil?, disse a sindicalista, que lembrou o caso da agressão de um passageiro a Margareth Soares, funcionária da BRA, na sexta-feira, 30, no Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio de Janeiro. Selma Balbino também acusou a Empresa de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero) e a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) de terem sido omissas durante os tumultos. ?Naquele momento, em que a greve era dos controladores e a responsabilidade era do Ministério da Defesa, a Anac teria de fazer o papel de se comunicar com o público, em comum acordo com as empresas. E a Infraero tem o seu serviço de segurança e deveria ter chamado as polícias Civil e Federal, para ficar de prontidão e tomar providências imediatamente. São duas omissas?. A presidente do Sindicato dos Aeroviários, que tem 11.300 filiados em todo o País, também disse que considera o movimento deflagrado pelos controladores militares justo, mas que falta esclarecer alguns detalhes: ?Eu até quero acreditar que seja o resultado de um governo democrático-popular, que permite que trabalhadores, mesmo militares, se posicionem. Porque se não for, é muito mais grave. Eu vejo, inclusive, uma tentativa de desestabilização do governo Lula nessa postura tão radicalizada dos controladores de vôo. Eu fico muito preocupada com isso?, afirmou a sindicalista. As assessorias de imprensa da Infraero e da Anac foram procuradas, mas não responderam às acusações da sindicalista.

Agencia Estado,

03 Abril 2007 | 07h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.