Sindicato não aceita desarmar policiais fora de serviço na BA

O Sindicato dos Policiais Civis (Sindpoc) de Salvador está orientando os policiais a não cumprirem o decreto assinado pelo governador da Bahia, Otto Alencar (PL), que proíbe qualquer cidadão (incluindo policiais civis e militares fora de serviço) de andar armado. O decreto também suspende a concessão do porte de armas de fogo entre junho e novembro.O presidente do sindicato, Crispiniano Daltro, mandou publicar uma nota na edição de hoje do jornal A Tarde orientando os agentes civis a não cumprir a determinação de desarmar os colegas. "No nosso entendimento policiais civis, militares e agentes penitenciários não devem e não podem andar desarmados por conta das suas atividades e vulnerabilidade, ficando expostos à marginalidade, pois os bandidos andam fortemente armados dia e noite, levando a violência à população", diz um trecho da nota.O sindicato critica a secretária de Segurança Pública, Kátia Alves, por ter instituído uma gratificação de R$ 100 por arma apreendida pelos policiais. A gratificação foi chamada de "imoral e sem fundamento legal" pelo presidente do Sindipoc.Ele cobrou do governo a concessão do aumento de 36% na gratificação da atividade policial prometido, segundo ele, desde abril de 2000, e que foi um dos motivos da greve de 13 dias no ano passado.A reação de Daltro não teve repercussão na cúpula da polícia baiana, que vem planejando operações para apreender armas, intensificando as abordagens de pessoas suspeitas nos locais de alto índice de criminalidade. Os bares terão prioridade nas blitze, pois nesses pontos ocorre o maior número de delitos envolvendo armas de fogo.Segundo a Secretaria de Segurança Pública, há pelo menos 200 mil armas registradas na Bahia, 80 mil em Salvador. Os dados do órgão indicam que 57% dos autores de homicídios no Estado não têm antecedentes criminais e provavelmente não matariam se estivessem desarmados. Conforme a Secretaria, em Salvador foram cometidos 645 homicídios em 2000 e 719 em 2001. Em 90% dos casos o autor usou arma de fogo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.