Sindicato quer discutir indenização das companhias aéreas

O Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea) pediu formalmente nesta segunda-feira, 6, uma reunião com a diretoria da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), com o objetivo de discutir um possível pedido de indenização às companhias aéreas e reivindicar mais investimentos para a infra-estrutura de acompanhamento do espaço aéreo. Cálculos preliminares indicam que o valor a ser solicitado pelas companhias é de cerca de R$ 40 milhões, por perdas com a operação-padrão deflagrada por controladores de vôo em Brasília"A indenização é o mínimo. As companhias estão fazendo um levantamento dos prejuízos. É preciso investimento no sistema de controle e acompanhamento do espaço aéreo", afirmou o diretor de relações governamentais do Snea, Anchieta Hélcias. De acordo com ele, o ofício assinado pelo ex-ministro da Defesa José Viegas, que apontava para o risco de problemas nos aeroportos desde 2003, foi elaborado com a colaboração do Snea, que já alertava para esse risco.Hélcias disse que o dinheiro arrecadado com as taxas aeroportuárias, que deveria ser revertido para investimentos em melhorias na infra-estrutura aeroportuária e nos sistemas de controle de vôo, está sendo retido para o governo poder aumentar sua receita para pagar os juros da dívida pública (superávit primário). "O sistema está sucateado e não é de hoje", afirmou o diretor do Snea.Segundo Hélcias, o pedido de indenização e de mais investimentos não serão tratados na terça, 7, na posse da nova diretoria do Snea, que será presidida pelo presidente da TAM, Marco Antonio Bologna.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.