Sindicato reclama de redução de capacidade de vans escolares

O Sindicato dos Transportadores Escolares de São Paulo (Simetesp) impediu a realização nesta manhã de vistorias nas peruas escolares no Centro Integrado de Transportes (CIT), na Rua Joaquim Carlos, no Pari, em protesto contra uma determinação do Detran que diminui a capacidade de transporte nas vans. A portaria 1153, do Detran, de 2002, determinou que cada criança tenha um espaço reservado de 30 centímetros no veículo. As mudanças deveriam ser feitas até 31 de dezembro de 2005. Com a medida, uma perua com capacidade para 16 adultos e que transportava 23 crianças, transportará apenas 16 crianças, por exemplo. "Por que reduzir agora? Como vou falar para as mães que não vão levar os filhos dela?", disse o transportador Jorge Alberto dos Santos, de 48 anos, dono de uma van que levava 23 crianças. Com sete crianças a menos em cada turno, Santos deixará de transportar 21 crianças por dia, tendo um prejuízo de R$ 1400 por mês. Segundo Simone Sabino, de 40 anos, uma das diretoras do sindicato, "com a redução da capacidade, 40 mil crianças que dependem do transporte escolar gratuito vão ficar sem". A vistoria está sendo realizada desde quinta-feira passada e vai até o dia 6, para os veículos do programa de Transporte Escolar Gratuito (TEG, o antigo Vai e Volta), segundo um funcionário da Sptrans que não quis se identificar e estava no local. Já as vans particulares seguem o calendário de vistorias semestrais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.