Síndico mata condomínio e é condenado a 12 anos de prisão

Ex-síndico é acusado de ter disparado contra morador, em fevereiro de 1999

12 Julho 2007 | 09h04

O ex-síndico Selsino Gonçalvez Souto, acusado de matar a tiros o professor José Marques de Souza, foi condenado a 12 anos de prisão, com direito a recorrer da sentença em liberdade. O julgamento terminou na noite de quarta-feira, 11, no Fórum Criminal Ministro Mário Guimarães, na Barra Funda, na zona oeste de São Paulo, segundo informações da TV Globo. Souto é acusado pelo assassinato do professor, em 23 de fevereiro de 1999. O crime teria sido motivado por uma discussão sobre contas relativas ao condomínio. A discussão aconteceu no hall do 5º andar do Edifício Residencial Recanto dos Pássaros, no Jardim Bonfiglioli, também na região oeste da cidade. O circuito interno de TV do prédio registrou tudo. Minutos antes do professor chegar ao prédio, o síndico subiu até o 5º andar, onde o professor morava, e esperou pela vítima. No momento em que saiu do elevador, Souza foi surpreendido pelo assassino, que disparou três vezes à queima roupa. O julgamento foi presidido pelo juiz Cassiano Ricardo Zorzi Rocha, do 5º Tribunal do Júri. O ex-síndico foi considerado culpado por homicídio duplamente qualificado - por motivo fútil e sem chance de defesa da vítima. Para evitar a imprensa, o condenado, após o veredicto, retardou sua saída do Fórum, e, quando o fez, saiu a pé. Maria Leda, a viúva do professor, compareceu ao Fórum e acompanhou o julgamento. "O mais justo seria se ele já saísse daqui algemado, mas fiquei contente com o resultado", disse Leda.

Mais conteúdo sobre:
assassinato julgamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.