´Sinto a onda da virada´, diz Alckmin

Na véspera da eleição e menos de 24 horas depois do último debate com o adversário, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, apostou em uma virada. "Sinto a onda da virada nas ruas", afirmou, após participar de caminhada pelo Saara, maior área de comércio popular do Rio, no centro. "A expectativa é muito boa. A população está consciente de que o Brasil precisa mudar, e é o voto que muda. Precisamos corrigir muita coisa que está errada, e é o povo que constrói o futuro."Alckmin repetiu o que fizera na véspera do primeiro turno, quando, assim como agora, até mesmo seus aliados duvidavam de sua ida à segunda etapa do pleito. "Alea jacta est. A sorte está lançada", disse.Satisfeito com sua performance no debate da TV Globo, o presidenciável tucano avaliou que o programa pode ter peso na eleição. "A audiência foi alta, o formato foi interessante porque o eleitor fez perguntas de seu interesse. Eu gostei bastante", comentou antes da caminhada, à saída do hotel em que ficou hospedado, na Barra da Tijuca.Acompanhado do candidato a vice, senador José Jorge (PFL-PE), do vice-prefeito do Rio, Otávio Leite (PSDB), e do candidato tucano derrotado ao governo fluminense, deputado Eduardo Paes, Alckmin saiu em busca de votos de última hora ainda em frente ao hotel. Na beira da praia, cumprimentou populares, tomou água de coco e quase arriscou tirar os sapatos e as meias para molhar os pés no mar. Acabou desistindo.Em seguida, seguiu para o Saara, desta vez sem a companhia de José Jorge. Ao longo da caminha, cumprimentou eleitores, ouviu elogios sobre sua postura no debate da Globo e palavras de confiança. Apesar de as pesquisas apontarem vitória de Lula hoje, Alckmin avisou: "Eu tenho fé. Eu acredito. Confiança na eleição amanhã".O presidenciável tucano arriscou um balanço de sua campanha. "Toda campanha tem erros e acertos. Eu convivi com o povo e quando a gente ouve mais, erra menos, acerta mais. A nossa mensagem está chegando lá."No corpo-a-corpo com cariocas, disse que se sentia em casa no Rio. "Eu sou do Vale do Paraíba. Meu coração é metade paulista e metade fluminense." Terceiro maior colégio eleitoral do País, Alckmin disse ter escolhido o Rio para encerrar sua campanha pois o Estado representa "a síntese do Brasil, a alma brasileira".Antes de deixar o Saara, Alckmin entrou em uma lanchonete para tomar uma de suas oito doses de café diárias. O candidato deveria, em seguida, participar de um almoço com a candidata do PPS ao governo fluminense, Denise Frossard, e com o prefeito César Maia (PFL). Chegou a ir ao local. Mas acabou desistindo do almoço. Detalhe: nem Maia nem Denise estavam lá. E minimizou: "Candidato não almoça." No início da tarde, embarcou para São Paulo.Colaborou Alberto Komatsu

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.