Sistema de água de SP precisa de mais chuva que em 2002

Precisa chover mais este ano que o ano passado no Sistema Cantareira para evitar problemas graves de desabastecimento de água em São Paulo e na região de Campinas na próxima estiagem. ?Se o reservatório do Cantareira não atingir 50% de capacidade no final do próximo período chuvoso, em abril de 2004, o inverno do ano que vem será muito dramático para São Paulo e a região de Campinas?, disse o diretor de Comunicação da Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento (Sanasa) de Campinas, Armando Gallo. Embora Campinas tenha descartado o racionamento de água este ano, a Sanasa já se preocupa com a situação dos mananciais na próxima estiagem. Segundo Gallo, o último racionamento na cidade ocorreu em 1988. Mas a vazão dos rios nunca esteve tão baixa e vem piorando a cada ano. Campinas capta 3,5 metros cúbicos por segundo de água do Atibaia e 0,4 metros cúbicos por segundo do Capivari. Esta semana, a vazão no ponto de captação em Campinas está em 7 metros cúbicos por segundo no Atibaia e 0,6 metros cúbicos por segundo no Capivari. Respectivamente, a média anual de vazão desses rios, incluindo o período de seca, é de 15 e 2 metros cúbicos por segundo.Já no final das chuvas este ano, em abril, o Cantareira tinha entre 60% e 70% de capacidade, explicou o diretor da Sanasa. Mesmo assim, São Paulo enfrenta problemas de bastecimento. Se as chuvas deste verão forem menores que a do passado, o reservatório não terá como se recuperar aos níveis alcançados antes de começar a última estiagem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.