Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Sistema de segurança no Brasil 'está falido', diz ministro da Defesa

Citando a crise financeira, a superlotação de presídios e o poder de facções, Jungmann afirma que o crime 'se transnacionalizou'

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

31 de janeiro de 2018 | 19h16

RIO - Enquanto motoristas e passageiros abandonavam veículos na Linha Amarela para se proteger dos tiros trocados por policiais e criminosos na Cidade de Deus, na zona oeste do Rio de Janeiro, a cerca de 30 quilômetros dali, no centro da cidade, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, disse nesta quarta-feira, 31, que o sistema de segurança do Brasil "está falido".

+++ Tiroteio deixa três mortos e fecha os dois sentidos da Linha Amarela no Rio

Citando a crise financeira, a "incapacidade do Judiciário de julgar processos", a superlotação de presídios e o poder de facções, o ministro afirmou que o crime "se transnacionalizou".

+++ Contra crimes, Fortaleza testa torres de vigilância

"Este sistema vigente está falido, e o que estamos vivendo hoje é o feito, não apenas da falência, do desenho deste sistema, mas o feito de muitas outras razões. O crime se nacionalizou. Mais do que isso, se transnacionalizou. Então, não é no espaço da unidade da Federação que vamos resolver o problema da grande criminalidade", sustentou o ministro, durante o evento "O futuro começa hoje", promovido na Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), pela Polícia Militar do Rio, em parceria com o Viva Rio.

+++ Atropelador acusado de matar bebê pretendia fugir do Brasil, diz polícia do Rio

Segundo ele, grandes  grupos criminosos já têm a distribuição do consumo de droga no Brasil. Agora, buscam o controle da produção.

"Veja o exemplo do Nem (Antônio Francisco Bonfim Lopes, um dos chefes do tráfico na Favela da Rocinha, na zona sul, encarcerado em penitenciária federal). Ele está preso a 5 mil quilômetros do Rio, em um presídio de segurança máxima de Rondônia, e ainda assim é capaz de declarar uma guerra na Rocinha e levar o governo federal a convocar as Forças Armadas para tentar apaziguar o local", comentou o ministro.

Em setembro, Nem ordenou a invasão da Rocinha, em disputa pelo controle do tráfico com criminosos chefiados por Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157. O morro viveu uma semana de tensão e as Forças Armadas precisaram intervir. Depois que os militares se retiraram, os confrontos entre os bandos rivais voltaram a ocorrer.

A atuação de soldados das Forças Armadas em ações no Rio de Janeiro se tornou corriqueira. Jungmann admitiu que o procedimento não é o ideal. Para o titular da Defesa, elas deveriam ocorrer "apenas em situações extraordinárias, quando falecem as condições de controle por parte da ordem pública". A crise financeira foi apontada por Jungmann como uma das causas da falência do sistema. 

"Há, sim, a influência da crise neste processo, da falta de recursos para serem canalizados para a segurança pública. E, também, porque não temos um fluxo estável de recursos orçamentários e financeiros para a área de segurança. O País passa por uma das maiores crises dos últimos 50 anos em termos econômicos e fiscais e a segurança pública mergulha com o País nesta crise", considerou.

Outro fator apontado foi o grande número de presos do País.

"Em razão da incapacidade do Judiciário de julgar os processos, o sistema penitenciário brasileiro tem 30% a 40% dos presos provisórios e temporários em suas celas. Ninguém sabe hoje, de fato, qual é o tamanho da população carcerária do País. E quem acha que sabe está enganado", ponderou Jungmann.

Antes de começar sua palestra, Jungmann pediu um minuto de silêncio em homenagem aos policiais mortos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.