"Sistema penitenciário é banheira que transborda"

O diretor-substituto do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), Fauze Martins Chequer, comparou hoje o sistema prisional brasileiro a "uma banheira que está transbordando". Fauze afirmou que a execução de programas para construir mais celas no País foi "prejudicada" pelos cortes da área econômica. O governo federal, adiantou o diretor do Depen, deve contingenciar o orçamento para presídios em cerca de 5% este ano e não deverá cumprir a longo prazo a meta de zerar o deficit de vagas. Fauze não acredita que o problema do sistema penitenciário se resolva com a construção de mais presídios. Segundo ele, é necessário "fechar a torneira" da grande "banheira". Para isso, disse, a Justiça teria que aplicar mais penas alternativas. Ele acredita que 20% dos presos que entram no sistema penitenciário cometem crimes leves e podem prestar serviços à comunidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.