Sistema prisional do Brasil não funciona, diz Cezar Peluso

Durante congresso em Salvador, presidente do STF afirmou que Estados precisam encontrar alternativas à prisão

Tiado Décimo, de O Estado de S. Paulo,

15 de abril de 2010 | 16h33

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cezar Peluso, disse hoje (quinta-feira), durante o 12.º Congresso das Nações Unidas sobre Prevenção ao Crime e Justiça Criminal, realizado em Salvador, que "nitidamente o sistema prisional não funciona" e que "é preciso encontrar alternativas a ele".

 

Veja também

linkBarreto: caso Luziânia revela falhas no sistema penal

linkEm ano eleitoral, políticos propõem até prisão perpétua

 

"Os Estados, sobretudo os da América Latina, não têm condições de responder às demandas de dignidade humana dos presos e as prisões não só não conseguem ressocializar os presos, como muitas vezes o preso sai muito pior do que entrou", acredita. "Há certos casos em que o que se faz ao preso é um crime contra o cidadão. Os Estados precisam encontrar alternativas à prisão, de acordo com suas características, seus recursos e sua realidade."

 

Peluso preside o Comitê Permanente da América Latina para Revisão e Atualização das Regras Mínimas das Nações Unidas para o Tratamento de Presos. O grupo tem como objetivo levantar propostas para a melhoria dos sistemas penais dos países da ONU - que seguem uma resolução aprovada na primeira edição do congresso que ocorre em Salvador, há 60 anos. "Nosso foco é a criação de uma comissão na ONU, que aprove uma convenção internacional sobre o tema", diz.

 

O ministro, que assume, no próximo dia 23, a presidência do STF, afirmou que o monitoramento eletrônico de presos "é uma opção, que está sendo estudada" e que a questão da progressão de penas "é um problema secundário, nesse contexto".

 

Peluso não quis comentar o caso do acusado de seis homicídios em Luziânia-GO, que teria cometido os crimes após obter o benefício da progressão de pena - mesmo tendo contra si laudos atestando sua incapacidade de convívio em sociedade. "O caso pode, eventualmente, ser tema de análise do Supremo", justificou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.