Site do Exército reescreve versão sobre o golpe militar de 1964

Sinopse histórica em página da internet cita o período sob a visão de[br]historiadores ligados às Forças Armadas

Marta Salomon / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

21 de maio de 2010 | 00h00

O Exército reescreveu a História do Brasil. Sua página na internet afirma que o golpe militar de 1964 foi uma opção pela democracia. "Eufórico, o povo vibrou nas ruas com a prevalência da democracia", lê-se em um dos capítulos da sinopse histórica do Exército, intitulado Antecedentes e Revolução Democrática de 1964.

O mesmo capítulo diz que "os recentes fatos da história contemporânea demonstraram que o povo brasileiro estava certo quando, na década de 60, optou pela democracia".

O Estado questionou o Comando do Exército sobre que fatos seriam esses. A resposta, por escrito: "A queda do Muro de Berlim e suas consequências, por exemplo". A queda do muro, que abriu caminho à reunificação da Alemanha e representou o colapso do comunismo, aconteceu em 1989, quatro anos depois do fim do regime militar no Brasil.

Em outra resposta igualmente curta, a Força afirmou que "diversos historiadores no âmbito do próprio Exército foram responsáveis pelo texto".

O site do Exército ilustra a sua versão desse período da história com fotos do comício da Central do Brasil, no Rio de Janeiro, liderado pelo então presidente João Goulart, e da Marcha Família com Deus pela Liberdade. Ao lado da primeira foto, uma legenda afirma que, no comício de Jango, "ficou claro que as reformas de base seriam feitas na lei ou na marra".

A versão do Exército contrasta com o livro Direito à Memória e à Verdade, editado pela Presidência da República em 2007. "Calcula-se que cerca de 50 mil pessoas teriam sido detidas somente nos primeiros meses da ditadura", diz um dos trechos do livro.

Ditadura. O tema ainda é polêmico no governo, como mostrou a recente crise provocada pelo Programa Nacional de Direitos Humanos. Na semana passada, um novo decreto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva retirou do texto expressões como "repressão ditatorial" e "perseguidos políticos".

Antes disso, Lula já havia concordado em criar a Comissão da Verdade não mais com foco na apuração de casos de violação aos direitos humanos durante o regime militar, mas num período mais longo da história do País, de quatro décadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.