Situação do Rio é extremamente delicada e grave, diz FHC

O presidente Fernando Henrique Cardoso disse hoje, ao comentar o atentado com granadas e tiros sofrido pela prefeitura do Rio, nesta madrugada, que "medidas enérgicas têm de ser tomadas e serão tomadas" para evitar a repetição de fatos como este. O presidente afirmou, ainda, que a situação no Rio lhe parece "extremamente delicada e grave" e insistiu em que todos têm responsabilidade (União, Estado e município) para resolver a situação da violência no Rio. Ele fez essas declarações ao deixar o Hotel Intercontinental, após conceder audiências a participantes do seminário internacional sobre Desenvolvimento Sustentável, para se dirigir ao Itamaraty, também no Rio, onde se encontra com o presidente da África do Sul, Thabo Mbeki. Fernando Henrique informou que vai examinar o pedido do prefeito César Maia para que seja declarado estado de Defesa no Rio. "Vou conversar com o prefeito, naturalmente", disse. "Esta notícia não foi trazida ainda oficialmente. Vou verificar o que pode ser feito na área federal. Já conversei com o ministro da Justiça (Miguel Reale Júnior) para saber quais os mecanismos para isso e em que condições isso pode ser feito?. O presidente disse que vai conversar também com a governadora Benedita da Silva, ?porque a segurança pública depende basicametne do governo estadual?. Segundo ele, a ação do governo federal é supletiva. ?Devo dizer que a situação no Rio me parece extramamente delicada e grave. Eu já declarei que nesta matéria segurança não adianta ficar na questão do empurra-empurra. Somos todos responsáveis, e cada um tem de assumir a sua parte de responsabilidade. Então, dentro dessa visão, eu vou ver se o estado de defesa é o melhor caminho. O que é certo é que nós não podemos mais conviver com essa situação e que medidas enérgicas têm de ser tomadas e serão tomadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.