Situação em Bangu 3 é insuportável, diz refém à imprensa

Presos rebelados em Bangu 3 se comunicaram nesta manhã, por celular, com repóteres e exigiram que alguns reféns falassem com jornalistas. Uma médica que se identificou só como Alessandra disse que a situação está insuportável, por causa da falta de água e luz, cortadas a mando do secretário de Administração Penitenciária, Astério Pereira dos Santos. Ela acredita que alguns reféns podem já estar desidratados. "Os reféns não suportam mais uma noite dessas", afirmou. De acordo com a médica, os reféns temem o que acontecerá com o fim da rebelião, mas já não há tiros. Segundo um preso que se disse um dos líderes do motim, eles só se entregarão quando puderem negociar com um juiz ou um integrante da Comissão de Direitos Humanos na presença da impensa. Segundo ele, a negociação vem sendo feita com um major. Hoje, nenhuma autoridade do governo do Estado comentou o caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.