'Só se o presidente quiser ser Hitler'

ENTREVISTA

, O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2010 | 00h00

Rodrigo Maia

Presidente do DEM

O presidente do DEM, Rodrigo Maia, recorreu ontem a Adolf Hitler e à perseguição aos judeus na Alemanha nazista para descrever o desejo expressado pelo presidente Lula de "extirpar" o partido do cenário político. "A vontade do presidente é derrotar de forma radical os seus adversários para que o PT possa fazer aquilo que o Senado não deixou que fizesse."

Como o senhor analisa as declarações do presidente Lula?

É uma declaração de uma pessoa que mostra um certo desequilíbrio, uma pessoa que coloca para fora, neste momento, todo o seu viés autoritário, relembrando aí os piores momentos, até usando a forma como a Alemanha nazista tentou extirpar os judeus.

A que atribuir a declaração?

Acho que é um pouco de oportunismo. O presidente pode, de forma democrática, pedir voto, mas não deveria, nunca, entrar da forma como o presidente está entrando nas eleições, tentando desqualificar e, como ele disse, perseguir extirpando os seus adversários.

O projeto do DEM, de sucessão ao PFL, foi bem sucedido?

Um processo de renovação dura 20, 30 anos. Acho que o DEM está no caminho correto. Se não estivesse incomodando, o presidente não estaria tratando o DEM como tratou.

Não tem perigo de o DEM ser extirpado, então?

Olha, ser extirpado só se o presidente Lula quiser ser Hitler e perseguir os judeus. Um presidente que diz "sou amigo de todo mundo", não sei como consegue falar com tanto ódio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.