Sob clima tenso, negociações são retomadas com presos rebelados no Espírito Santo

Os rebelados da Casa de Passagem de Vila Velha, na região metropolitana de Vitória, retomaram, na manhã desta sexta-feira, 16, as negociações com a polícia. Eles insistem na transferência, para o sistema penitenciário do Estado, de cinco traficantes que estão sob custódia da Polícia Federal. Os presos reivindicam também melhorias na alimentação e no atendimento médico.Embora tenham liberado uma refém na noite de quinta-feira, o clima de tensão no presídio permanece. Seis pessoas continuam em poder dos criminosos. Um dos reféns, um agente penitenciário, foi agredido pelos rebelados. Um detento ficou pendurado por uma corda, por cerca de dez minutos. Em seguida, ele foi retirado e retornou ao pátio de banho de sol.De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria de Justiça, a negociação com os presos está mais complicada pois não há uma liderança do movimento.O motim começou na quarta-feira, 14, e deixou um detento morto, asfixiado pela fumaça de colchões queimados. Depois de mais de 24 horas em poder dos presos, uma refém de 68 anos foi liberada no início da noite de ontem. Dois ônibus foram incendiados por bandidos em Vitória desde que foi iniciado o motim. Não houve vítimas. O governo suspeita de ligação entre os atentados e a rebelião.Ontem, sete representantes de órgãos do governo e de movimentos dos direitos humanos estiveram reunidos com um grupo de presos, que apresentaram uma lista de 15 solicitações. Entre as exigências estão ainda a transferência de detentos para suas comarcas e o cumprimento da progressão de regime, direito que estaria sendo prejudicado por causa da morosidade das Varas de Execuções Penais do Estado.ExigênciasAinda de acordo com a assessoria de imprensa, o governo vai iniciar, na segunda-feira, mutirões para análise de processos dos presos e para atendimento médico. A comissão de negociação pediu que os detentos façam uma lista com os nomes dos que, supostamente, já poderiam requerer redução de pena e também daqueles que desejam mudança de comarca. Os casos previstos na lei serão encaminhados.Sobre a transferência de cinco líderes do tráfico de drogas sob custódia da PF, porém, a assessoria informou tratar-se de uma decisão judicial e que o Tribunal de Justiça analisará até terça-feira a possibilidade de a reivindicação ser atendida. Um deles é José Antônio Pavão, o Toninho Pavão. No início de maio, após uma interceptação telefônica ter revelado que ele ordenou, da cadeia, a execução de um casal, Pavão e quatro comparsas foram retirados do presídio de Viana, considerado de segurança máxima. Ontem, o clima em frente à penitenciária, que tem 740 presos, foi de tensão, com parentes e policiais do Batalhão de Missões Especiais acompanhando a movimentação de rebelados na parte superior do presídio.

Agencia Estado,

16 de junho de 2006 | 12h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.