AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Sob críticas de aliados, Jucá perde força como articulador

Denúncias do irmão enfraquecem líder do governo no Senado, agora cobrado por ''negociar demais'' com oposição

Eugênia Lopes / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

05 de agosto de 2011 | 00h00

O senador Romero Jucá (PMDB-RR) é hoje um líder à deriva. Alvo de críticas de senadores da base aliada e da oposição, o líder do governo no Senado enfrenta uma situação delicada em seu próprio partido - a ponto de alguns peemedebistas defenderem, em conversas reservadas, sua saída do cargo.

Além disso, a propalada eficiência de Jucá na liderança vem sendo questionada pelos demais aliados: muitos alegam, agora, que ele negocia em excesso com a oposição.

A avaliação é que Jucá ficou em situação constrangedora depois que seu irmão Oscar Jucá Neto afirmou existir um conluio entre o PMDB e o PTB para controlar a estrutura do Ministério da Agricultura e, a partir daí, arrecadar dinheiro e favorecer aliados. Demitido de uma diretoria da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Oscar Neto causou desconforto a Jucá ao envolver em suas denúncias o ministro Wagner Rossi. Este foi indicado para a Agricultura pelo presidente do PMDB e vice-presidente Michel Temer. Jucá pediu desculpas à presidente pelas palavras do irmão.

Aparentemente, o líder conseguiu contornar a situação e, por enquanto, não corre o risco de sair. "Ele foi bastante correto. É preciso separar ele da ação do irmão", defendeu o senador Wellington Dias (PT-PI). "O Jucá não está sob suspeita. Ele já passou por coisas piores", disse Cristovam Buarque (PDT-DF).

Sem alternativa. Dilma estaria disposta a mantê-lo, para não pôr mais lenha na fogueira das relações com PMDB. Ela abriria uma guerra com o PMDB se indicasse um petista para o cargo e no PMDB não haveria muitas opções para o lugar. O nome do senador Eduardo Braga (PMDB-AM) é sempre lembrado - mas sua eventual nomeação acabaria irritando o PR e o senador Alfredo Nascimento, também amazonense. A pretexto de discutir a Lei de Informática, Braga reuniu-se anteontem longamente com a presidente da República.

Além de vários ministros, Dilma Rousseff também herdou Romero Jucá do governo Lula. Ele ocupa o posto desde junho de 2006 e sua eficiência como articulador sempre foi reconhecida. As virtudes de antes, porém, passaram a ser alvo de críticas: agora ele é censurado por "negociar demais" com a oposição.

Tal comportamento desagradou, por exemplo, à ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann. Dias antes de assumir a Casa Civil, Gleisi negou-se a levar adiante o acordo firmado por Jucá com líderes da oposição no plenário do Senado para votação de medidas provisórias que estavam prestes a caducar.

"O problema do Jucá é que ele faz acordo com a oposição e não consulta a base", reclamou um senador governista, para o qual Jucá "parece viver do passado", quando o governo não tinha maioria no Senado e era obrigado a aceitar decisões defendidas pela oposição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.