Marcos de Paula/AE
Marcos de Paula/AE

Sobe para 16 o número de mortos pela chuva em Petrópolis (RJ)

Força Nacional de Defesa Civil auxilia no socorro às vítimas na região Serrana do Rio

Clarissa Thomé, Marcelo Gomes e Heloisa Aruth Sturm - Atualizado às 19h22,

18 Março 2013 | 10h15

RIO - Subiu para 16 o número de mortos em decorrência da chuva que atinge a cidade de Petrópolis, no Rio de Janeiro, desde a noite de domingo (17). Os moradores foram soterrados após um deslizamento de terra destruir três casas, na madrugada desta segunda-feira, na comunidade Vila São João, no bairro Quitandinha. Três homens, dois agentes da Defesa Civil e um militar do Exército que foram ao local socorrer as pessoas, também foram soterrados e morreram.

Outras 20 pessoas ficaram feridas e 140 famílias estão abrigadas em pontos de referência instalados pela Prefeitura para dar apoio às vítimas. Ainda não há informação de quantas destas famílias estão desalojadas (temporariamente fora de suas casas) e quantas estão desabrigadas (tiveram as casas destruídas).

A Força Nacional de Defesa Civil seguiu para Petrópolis para auxiliar no socorro às vítimas da chuva que atinge a região serrana do Rio. O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, recebeu na manhã desta segunda-feira um telefonema da Presidente Dilma Rousseff, que está em Roma, e da Ministra Gleisi Hoffmann, da Casa Civil, oferecendo apoio do Governo Federal. Cabral expôs a situação à presidente e informou agora há pouco que a Força Nacional de Defesa Civil já está em deslocamento para a região serrana do Rio. O governador estará em Petrópolis  nesta tarde para uma reunião de trabalho na Prefeitura.

No fim da manhã, os bombeiros suspenderam as buscas por questões de segurança, já que continua a chover forte na cidade e o terreno está encharcado.

Como foi

"Por volta de meia noite e meia ouvi um estrondo. Levantei e vi que a terra tinha levado a parede da área de serviço. Tirei minha e mulher e meus filhos de casa e fui ajudar no resgate dos vizinhos. Moro aqui há 21 anos e nunca tinha visto nada assim. Depois dessa, quero me mudar. A vida é o nosso bem mais valioso, né?", disse o lustrador de móveis Carlos Alberto Xavier, de 45 anos.

A costureira Luciana de Souza, de 36 anos, disse que há uma sirene de alerta de temporais numa escola pública próxima à sua casa, mas não ouviu qualquer sinal. "Depois que o barranco levou as três casas, decidi sair da minha casa com a minha mãe e passamos a noite na escola, que serviu de abrigo. Uma das casas que desabou era de tábua de madeira, de uma família muito pobre, com sete crianças, que tinha acabado de se mudar de Minas.

Uma encosta deslizou e interditou a Rua Joaquim Rolla, bem ao lado do Palácio Quitandinha, um dos cartões postais da cidade. Técnicos da prefeitura estão no local retirando os escombros. Uma casa de classe média alta, de dois andares, está à beira do precipício. Moradores colocaram uma lona no alto do morro para evitar que novos deslizamentos acabe levando a casa junto.

No bairro Amazonas, na localidade conhecida como Alagoas, uma casa caiu e matou duas pessoas. Outras duas casas foram interditadas.

Deslizamentos e alagamentos

As principais cidades atingidas pela chuva no Estado foram Petrópolis e Teresópolis (Região Serrana), Angra dos Reis e Mangaratiba (Litoral Sul) e Niterói (Região Metropolitana).

Petrópolis foi o município mais afetado, apresentando 21 pontos de deslizamento ou alagamento. As localidades mais afetadas foram Quitandinha (com acumulado de 390 mm de precipitação em 24 horas), Independência (com acumulado de 277 mm de precipitação em 24 horas) e Doutor Thouzet (com acumulado de 267 mm de precipitação em 24 horas).

De acordo com o prefeito Rubens Bontempo, os sinais sonoros que alertam para fortes chuvas foram acionados e dez escolas municipais foram abertas para a população. Nas últimas horas, choveu 358 milímetros na cidade, de acordo com o Climatempo. O previsto para todo o mês de março era 270 milímetros.

Em Teresópolis houve deslizamento e duas quedas de barreiras. De acordo com a Defesa Civil do município, não houve vítimas. A cidade continua em estado de atenção.

Em Duque de Caxias, região metropolitana do Rio, houve alagamentos no distrito de Xerém e no bairro Santa Cruz da Serra. Foram montados cinco ponto de apoio pela Defesa Civil, que informa haver até o momento 30 pessoas desalojadas.

Rodovias

As principais rodovias que ligam o Rio de Janeiro à Região Serrana do Estado apresentam problemas, na manhã desta segunda-feira, devido ao temporal que atinge a serra desde a tarde de domingo (17).

A Rodovia Washington Luís (BR-040), que liga o Rio de Janeiro a Juiz de Fora (MG), opera com interdição parcial em quatro pontos da pista de subida (sentido Juiz de Fora) e três pontos da descida (sentido Rio) em razão dos deslizamentos de terra provocados pela chuva. Na subida da serra há trechos em meia pista nos quilômetros 100,96, 92 e 83.

Já a pista de descida está parcialmente interditada nos quilômetros 81, 83 e 75. Neste último trecho, o deslizamento chegou a fechar totalmente a pista, mas equipes da Concer, concessionária que administra a rodovia, conseguiram desbloquear o trecho no final da madrugada desta segunda-feira. A Concer recomenda aos motoristas que, antes de pegar a estrada, informem-se da situação na rodovia através da Central de Atendimento, pelo telefone 0800-2820040.

Motoristas que circulam na manhã desta segunda-feira pela Rodovia RJ-116 (Itaboraí - Nova Friburgo - Macuco) devem ter atenção redobrada no trecho entre os quilômetros 51 e 70, na Serra dos Três Picos, entre Cachoeiras de Macacu e Nova Friburgo. Nos quilômetros 51 e 69,5 há queda de barreiras e, com isso, o tráfego está em meia pista. Já no quilômetro 53, a queda de uma árvore suspendeu temporariamente o tráfego em ambos os sentidos da Rodovia.

Equipes da Concessionária Rota 116 S/A, responsável pela administração da RJ-116, já trabalham no local para restabelecer o tráfego neste ponto. Continua a chover intensamente na região. Informações sobre as condições de tráfego na RJ 116 podem ser obtidas pelo telefone 0800 282 0116.

Na Rodovia Rio - Teresópolis - Além Paraíba (BR-116 Norte), o tráfego está em meia pista, em sistema "pare e siga", entre os quilômetros 93 e 94 (no trecho da Serra dos Órgãos), e entre os quilômetros 49 e 50 (no trecho entre Teresópolis e Além Paraíba), segundo a concessionária CRT. Informações sobre as condições da rodovia podem ser obtidas pelo telefone 0800-021 0278.

Aeroportos

O Aeroporto Santos Dumont, no Centro do Rio, ficou fechado das 7h05m às 7h20m para pousos. Após reabrir, opera por instrumentos para pousos e decolagens. Já o Aeroporto Internacional Tom Jobim, na Ilha do Governador (zona norte) opera por instrumentos para pousos e decolagens.

Mais conteúdo sobre:
Chuva

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.