Sobe para 221 o número de mortos no Estado do Rio

Sobe para 221 o número de mortos no Estado do Rio

Cerca de 50 casas foram atingidas pelo deslizamento de terra; no hospital de Niterói não há mais leitos

O Estado de S.Paulo

10 de abril de 2010 | 09h57

 

Trabalho de resgate de corpos de vítimas no Morro do Bumba

 

Mais dois corpos foram retirados do Morro do Bumba na tarde deste sábado, 10, subindo o número de mortos para 221 no Estado, sendo 138 somente em Niterói. Pessoas que ficaram feridas ou foram resgatadas com vida somam 161.

 

Para colaborar com a situação, as Forças Armadas foram solicitadas para ajudar às vítimas. A Defesa Civil do Rio também iniciará o treinamento da população local para evitar a epidemia de doenças infecciosas, como a leptospirose.

 

Niterói está à beira do colapso. O Hospital Azevedo Lima, o único em que o setor de emergência funciona, não possui mais leitos disponíveis. No Hospital Universitário Antônio Pedro, da Universidade Federal Fluminense, as portas do pronto socorro estão fechadas há três anos. O Instituto Médico Legal (IML) de Niterói também está fechado há dois anos. Os corpos das vítimas estão sendo encaminhados para o IML de São Gonçalo e do Rio.

 

As dificuldades das equipes de resgate são grandes, pela extensão de mais de 600 metros de deslizamento e pelo volume de lama e lixo que estão sendo removidos para o Aterro Sanitário de São Gonçalo. Ontem, três dos oito cães da Companhia Independente da PM passaram mal, por causa do forte cheiro de gás metano. Curiosamente, dois cães de moradores foram encontrados vivos nos escombros.

 

O governador do Rio, Sérgio Cabral Filho (PMDB), pediu o reforço na quinta-feira à noite, por telefone, ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "As informações não são nada animadoras. Trata-se de um número muito grande de óbitos. Teremos muito trabalho para as próximas semanas, por causa do alto volume de lixo e destroços, além do número de corpos. A previsão para o tempo de resgate permanece estimada em no mínimo duas semanas, trabalhando dia e noite."

 

Pela calamidade, R$ 110 milhões foram liberados pelo governo federal, sendo R$ 35 milhões para as cidades de Niterói e São Gonçalo, os municípios mais afetados pelas chuvas. A verba faz parte de um pacote de R$ 200 milhões, sendo que R$ 90 milhões serão aplicados na capital fluminense.

 

A Defesa Civil do Município do Rio informou na noite desta sexta que a cidade continua em estado de atenção por causa da previsão de chuva com intensidade entre moderada e forte para esta noite.

 

Entre segunda-feira, 5, e ontem, 9, a Defesa Civil recebeu 1.568 solicitações, sendo a maioria sobre deslizamentos de barreiras, imóveis atingidos por deslizamentos e ameaça de desabamento de residências. O número de desabrigados no município chega a cinco mil.

 

Moradores do Morro do Céu, próximo ao Morro do Bumba e também construído sobre um antigo lixão, denunciaram que várias casas estão afundando e que uma igreja desabou à tarde. Ninguém ficou ferido.

 

Pedro Dantas

 

Texto atualizado às 17h58

Tudo o que sabemos sobre:
RiochuvasNiteróivítimas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.