Sobe para 23 número de mortos em naufrágio

Subiu para 23 o número de mortos no naufrágio do barco D. Luiz XV, ocorrido na noite de terça-feira, no Rio Pará, próximo à cidade de Barcarena. O comando do 4º Distrito Naval, em Belém, informou que até a noite desta quinta-feira o número de sobreviventes era de 299 passageiros.O Distrito Naval tenta confirmar se outras 28 pessoas estão mesmo desaparecidas ou teriam desembarcado em portos da região antes do acidente, já que muitos passageiros perceberam que havia superlotação e advertiram a tripulação.O delegado João Medeiros, responsável pelo inquérito policial em Barcarena, informou que poderá pedir a prisão preventiva do gerente da embarcação, conhecido apenas como Paulo, que está foragido.Segundo passageiros, Paulo e sua tripulação navegavam sem conhecer os rios paraenses e estariam embriagados durante a viagem.Alojados no quartel da Polícia Militar em Barcarena e num centro campestre na área metropolitana de Belém, os sobreviventes voltaram a acusar o proprietário do barco pela superlotação de passageiros e excesso de carga, que teriam sido a causa do naufrágio.Segundo o capitão dos Portos da Amazônia Oriental, Jaerte Bazyl, o barco tinha capacidade para transportar 140 passageiros, mas conduzia mais de 330. "Isso foi um crime praticado contra essas pessoas", afirmou Bazyl.O barco D. Luiz XV foi alugado pela empresa Enarte para fazer a viagem de Manaus a Belém. A Enarte pertence ao empresário e deputado estadual pelo PMDB do Pará Antônio Rocha, que negou responsabilidade pelo acidente. "Tem de ser apurada a participação do comandante do barco", disse o deputado.Ironicamente, a Enarte recebeu este ano um prêmio da Capitania dos Portos do Pará e Amapá por atuar com "segurança" nos rios da Amazônia. O inquérito administrativo instaurado pela Capitania dos Portos só será concluído quando a embarcação for resgatada do fundo do rio, onde se encontra a 12 metros de profundidade.Uma equipe de mergulhadores tentará retirar o barco durante o fim de semana para saber se há corpos de passageiros presos em seu interior.

Agencia Estado,

19 de dezembro de 2002 | 22h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.