Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG)
Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG)

Sobe para 60 o número de mortos no desastre em Brumadinho

Novo balanço diz ainda que há 292 desaparecidos, 192 resgatados e 382 pessoas localizadas; entre os mortos, 19 foram identificados; Tenente Aihara diz que as chances de sobrevivência são pequenas

Redação, O Estado de S. Paulo

28 Janeiro 2019 | 10h51

SÃO PAULO - Um novo boletim sobre as vítimas do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho foi divulgado por volta das 10h30 desta segunda-feira, 28. De acordo com o levantamento, o número de mortos subiu para 60, dos quais 19 foram identificados.

O balanço informa ainda que há 292 pessoas desaparecidas e 382 pessoas foram localizadas. Até o momento, 192 pessoas foram resgatadas.

Os dados são da Defesa Civil, do Corpo de Bombeiros e das polícias militar e civil.

"As chances de encontrar sobreviventes são mínimas, em razão da lama que ocupa todo o espaço, mas equipes de resgate trabalham com todas as possibilidades", disse em entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira, 28, o Tenente Pedro Aihara, do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais.

Ainda segundo ele, equipamentos tecnológicos israelenses que detectam sinal de aparelho celular e sonares serão utilizados para ajudar nas buscas por vítimas. Ele reforça que essa é uma 'operação de guerra', diferente de situações que envolvem desabamentos, por exemplo. No entanto, como muitos celulares já devem estar desligados, o auxílio fica ainda mais difícil. 

Os aparelhos detectam pela sensibilidade um material de lama e um corpo humano e também detectam o sinal de celular. Também estão em uso câmeras termais e drones.

Os militares de Israel começam a trabalhar a partir desta segunda-feira, mas ainda não se sabe quanto tempo ficarão no terreno, diz o porta-voz dos bombeiros.

"Trabalho é meticuloso, porque quando a gente consegue abrir acesso no meio da lama, a gente tem que estabilizar todo esse acesso com tapumes, com estrutura, fazer escoramento para que a gente consiga acessar. Caso contrário, no momento que estamos acessando, ela (lama) invade nosso acesso e não possibilita o trabalho, por isso, é bastante demorado", destacou Aihara.

O trabalho das forças de Israel será dividido por áreas. Israel trabalha coordenado com o Corpo de Bombeiros, uma equipe conjunta, principalmente na área administrativa perto do refeitório. Abaixo do pontilhão, somente atuam as forças brasileiras. Ainda não está definido o tempo que os militares de Israel permanecerão no Brasil. "Ao todo, são 136 militares israelenses, somados aos 280 bombeiros militares brasileiros, além do corpo de resposta composto por outros órgãos", detalhou o tenente.

Sobre a atuação de voluntários, Aihara ressalta que animais foram retirados com o apoio deles, mas a atuação é específica e depende de necessidade e orientação. Para que a ajuda não acabe atrapalhando o trabalho das autoridades.

O monitoramento à barragem ocorre em tempo real. Não há risco de rompimento, no momento.

Entenda a tragédia

A barragem da mina Córrego do Feijão, da mineradora Vale, localizada em Brumadinho, se rompeu na tarde de sexta-feira, 25, deixando mortos, feridos e desaparecidos

A onda de rejeitos de minério de ferro atingiu a área administrativa da empresa e a comunidade da Vila Ferteco. O rompimento ocorreu na Barragem 1, que foi construída em 1976 e tem volume de 12,7 milhões de m³. Segundo a Vale, a barragem tinha encerrado as atividades há cerca de três anos, pois o beneficiamento do minério na unidade é feito à seco.

Vítimas

No dia do desastre, o presidente da Vale, Fabio Schvartsman, disse que os funcionários seriam os mais afetados. Ele informou que cerca de 300 funcionários estavam no prédio administrativo e no restaurante da empresa, mas que 100 já tinham feito contato.

primeira vítima identificada foi a médica do trabalho Marcelle Porto Cangussu, de 35 anos. Ela trabalhava na Vale desde 2015. 

Causas

Ainda não se sabe o que causou o rompimento da barreira. Uma vistoria realizada em dezembro não apontou problemas em sua estrutura e a barragem era considerada de "risco baixo".

Ajuda de Israel

Um grupo formado por 136 militares israelenses vai auxiliar nas buscas por vítimas do desastre. Especializada em resgate durante catástrofes com uso de sonares a equipe vai trazer material eletrônico e de escavação. Cães farejadores também acompanham o grupo.

Veja em tempo real as últimas notícias sobre a tragédia de Brumadinho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.