Sobe para 7 os presos em operação contra milícias no Rio

Ação da Polícia Civil deve cumprir 10 mandados; policiais e soldado do Exército são acusados de integrar grupo

Priscila Trindade - Central de Notícias,

08 Outubro 2010 | 10h40

SÃO PAULO - Pelo menos sete pessoas foram presas nesta sexta-feira, 8, durante a Operação Biscoito para desarticular uma quadrilha "Piraquê", que controla comunidades em Pedra de Guaratiba, Ilha de Guaratiba e Barra de Guaratiba, na zona oeste do Rio. A quadrilha é integrada por, pelo menos, um policial civil, dois PMs e um subtenente do Exército.

 

Realizada pela Polícia Civil e pelo Ministério Público, a ação é coordenada pela Delegacia de Repressão as Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (Draco/IE). Cerca de 90 policiais, de várias delegacias especializadas e distritais participam da ação com o objetivo cumprir 10 mandados de prisão e 18 de busca de apreensão nos endereços dos suspeitos e no Centro Comunitário Paulo Rogério Pereira.

 

O grupo, investigado desde o início do ano, cobrava uma "taxa de segurança" e "comissões" sobre a venda de imóveis e terrenos, o monopólio da comercialização com ágio de botijões de gás e a redistribuição ilegal de sinais de TV a cabo nas comunidades da zona oeste da cidade. Os integrantes do bando praticavam espancamentos, torturas e homicídios de pessoas que resistem ao seu domínio em plena luz do dia e em locais de aglomeração. A operação também agiu em Santa Cruz contra o comércio de combustíveis adulterados e gás a preços superfaturados, supostamente controlados por milicianos.

 

De acordo com a denúncia, o policial civil Eduardo Pinto da Cunha usava armas e viaturas da 43ª Delegacia de Policia, de Guaratiba, para respaldar a atuação dos outros integrantes. O policial militar Ubirajara Rodrigues Gama Filho, do 31º BPM do Recreio, Geraldo Maranhão da Costa, o subtenente do Exército Marco Antonio Cosme Sacramento e o policial militar Marcos Antonio Pisente Carvalho, lotado no 10.º BPM (Resende) também integravam o grupo.

 

Atualizado às 15h34 para atualização de informações

Mais conteúdo sobre:
Rio milícias Polícia Civil

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.