Sobe para 9 número de policiais e guardas mortos em ataques na Grande SP

Ataques atribuídos ao Primeiro Comando da Capital (PCC) deixaram nove mortos até o momento. São quatro policiais civis, um policial militar, um soldado do Corpo de Bombeiros, além de um agente carcerário, em São Paulo, e dois guardas civis de Jandira, na Região Metropolitana. Ao menos 13 pessoas, entre elas guardas e policiais, ficaram feridos. O número de bandidos mortos durante o confronto com os policiais ainda está indefinido.Segundo o diretor do Departamento de Polícia Judiciária da Capital (Decap), Antônio Chaves Martins Fontes, um policial civil foi morto em Guaianases, na zona leste. Outro investigador foi assassinado na Rua Clodomiro Amazonas, no Itaim-Bibi, zona sul. Um PM foi morto em Osasco. Em Jandira, um carro da Guarda Civil foi atacado no Jardim Gabriela, perto das 21h30. Os dois ocupantes morreram. Na Capela do Socorro, zona sul da capital paulista, um escrivão e um agente policial morreram em duas ações diferentes. Um agente carcerário da Polícia Civil foi assassinado no Jardim das Imbuais, ao deixar a casa da namorada. Ele trabalhava no 85º Distrito Policial, no vizinho Jardim Mirna.Mais ataquesA zona leste foi a região com mais casos registrados. Em São Mateus, uma base da PM foi atacada, deixando um policial ferido na perna e uma mulher, na mão. Bandidos atiraram contra um agente penitenciário na Vila Formosa. Na Avenida Sapopemba, um PM foi atingido no ombro.Outros três PMs ficaram feridos em ataques a bases na zona leste. Em Cubatão, dois bandidos em uma motocicleta atiraram contra um investigador, que está gravemente ferido, e uma carcereira.No Parque São Rafael, homens armados em 15 carros atacaram o 55º Distrito Policial. Não houve feridos. Em Parada de Taipas, zona norte, bandidos tentaram invadir o 74º Distrito Policial. Houve tiroteio, sem feridos. Outras delegacias foram atacadas em Barueri e no Guarujá, sem deixar vítimas.Quase simultaneamente, uma base da Guarda Municipal localizada na altura do número 1.331 da Avenida dos Têxteis, em Cidade Tiradentes, também na zona leste, foi atacada por cerca de seis homens que ocupavam um Gol e uma moto roubados. Quatro bandidos foram detidos no momento em que fugiam e com eles a polícia apreendeu um colete à prova de balas. Nenhum guarda municipal ficou ferido neste ataque.O veículo policial prefixo 14110, da Polícia Militar de Osasco, na Grande São Paulo, foi metralhada por criminosos quando os PMs faziam patrulhamento pela Avenida Nossa Senhora dos Remédios, na divisa com a capital paulista. Segundo o Centro de Operações da Polícia Militar de Osasco, foram baleados o soldado Bispo e a cabo Ana Rita. Encaminhados a um pronto-socorro da região, apenas Ana Rita sobreviveu.Bandidos mortosAgentes do Grupo de Operações Especiais (GOE), da Polícia Civil, trocaram tiros, no início desta madrugada de sábado, com dois homens que, em uma moto, atiraram contra um carro da 4ª Companhia do 27º Batalhão. O ataque ocorreu a altura do nº 2.200 da Avenida Robert Kennedy, no bairro do Socorro. No momento em que fugiam dos policiais civis, os criminosos bateram a moto e, feridos gravemente, acabaram morrendo quando eram atendidos no pronto-socorro do Grajaú.Um soldado morreu e um cabo foi baleado por volta da 0h30 de hoje após homens armados atirarem contra a portaria do 2º Grupamento dos Bombeiros, localizada na Rua Barão de Paranapiacaba, nº 126, em Campos Elísios, região central da cidade. Os dois policiais fora levados para a Santa Casa de Misericórdia, onde apenas o cabo sobreviveu. Dois criminosos também foram baleados e, segundo as primeiras informações, estariam mortos.Policiais militares do Grupamento Aéreo, Águia, auxiliaram colegas da 3ª Companhia do 11º Batalhão numa perseguição a um veículo em que havia homens armados com fuzis. O carro acabou sendo abandonado na altura do nº 2.300 da Rua Bresser, região da Mooca. Dentro dele nenhuma arma foi deixada pelos suspeitos.Um veículo da 2ª Companhia do 11º Batalhão, que fazia patrulhamento pelas ruas do Cambuci, região centro-sul da capital paulista, também foi alvo de atiradores nesta madrugada. Os policiais foram surpreendidos na esquina da Avenida do Estado com a Rua Serra de Paracaina por um veículo ocupado por vários homens. Um dos soldados ferido pelos disparos foi encaminhado ao Hospital da Policia Militar.No final da noite de sexta-feira, a base da 2ª Companhia do 21º Batalhão de Policiamento do Interior, localizada na Avenida Elídio Martins Correa, em Vila Zilda, no Guarujá, litoral sul paulista, foi atingida por um artefato explosivo jogado por desconhecidos. Os vidros da base policial ficaram estilhaçados e um dos policiais teve ferimentos leves.Ocupando uma moto e armados de pistolas, dois homens, por volta das 22h30 desta sexta-feira, invadiram a base da Guarda Municipal da cidade de Mogi Mirim, região de Campinas, interior do Estado, localizada na Rua Rio de Janeiro, no bairro da Saúde. Na base estavam uma guarda municipal e homens da Brigada de Incêndio. Os criminosos dispararam várias vezes, mas felizmente nenhuma pessoa foi atingida. Policiais do 26º Batalhão do Interior auxiliam nas buscas aos atiradores, que ainda não foram localizados.Marcola Sete líderes do PCC foram levados à sede do Departamento Estadual de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic), em São Paulo. Entre eles, o líder máximo, Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, e Rogério Jeremias, o Gegê do Mangue. Todos foram trazidos em avião da PM. Seis foram ouvidos pela Delegacia de Roubo a Bancos. O diretor do Deic, Godofredo Bittencourt, interrogou Marcola.Para evitar possíveis ataques, homens do Grupo Armado de Repressão a Roubos de Assaltos (Garra), da Delegacia Anti-Seqüestro (DAS) e do Grupo Especial de Resgate (GER) montaram um bloqueio na frente do Deic, na Avenida Zaki Narchi.Vários homens armados também investiram no final da noite de sexta-feira contra a base fixa da 2ª Companhia do 22º Batalhão, localizada na Avenida Cupecê, próximo ao Largo do Jardim Miriam, na zona Sul da capital paulista. Um soldado foi atingido pelos disparos e encaminhado ao pronto-socorro do Hospital Sabóia, no Jabaquara.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.