Normando Soracles/Agência Miséria/AFP
Normando Soracles/Agência Miséria/AFP

Sobe para oito o número de presos por ataques a bancos no Ceará

Cinco suspeitos trafegavam na BR-116, na tentativa de resgatar pessoas envolvidas no crime, quando foram abordados pela polícia

Ana Paula Niederauer, O Estado de S.Paulo

08 Dezembro 2018 | 17h10

Subiu para oito o número de presos suspeitos de participação na tentativa de roubo a duas agências bancárias na cidade de Milagres, região do Cariri, no Ceará. O ataque deixou 8 supostos criminosos e 6 reféns mortos.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, mais cinco pessoas - três homens e duas mulheres - foram presas na noite desta sexta-feira, 7, e levadas a uma unidade da Polícia Civil para realização de flagrante pelos crimes de porte ilegal de arma de fogo de uso restrito, por integrar organização criminosa e por favorecimento pessoal. De acordo com a polícia, os cinco suspeitos estavam trafegando pela BR-116 (via que liga os municípios de Juazeiro do Norte e Milagres), na tentativa de resgatar pessoas envolvidas no crime, que estariam escondidas na região. As buscas por outros suspeitos que participaram direta ou indiretamente no crime continuam em andamento.

Eles foram identificados como Geronilma Serafim da Silva, de 44 anos, mãe de Mackson Junior Serafim da Silva, de 26 anos, morto na troca de tiros com a polícia; o outro filho dela, Denilson Moreira da Silva, de 20 anos; Jaine Pereira Nogueira, de 20 anos, Girlan Araujo dos Santos, de 29 anos; e Erivan Jesus da Luz, de 27 anos.  Erivan também foi autuado por latrocínio (roubo seguido de morte),uma vez que há indícios de que ele estaria na companhia do grupo que atuou na ação criminosa.

A tentativa de roubo às agências do Banco do Brasil e do Bradesco foi por volta das 2h30. A quadrilha estava com os reféns quando a PM chegou e, dizem testemunhas, houve intenso tiroteio. Cinco criminosos morreram no local e dois após serem atendidos em postos de saúde da região. Outro foi morto por policiais na cidade de Barro, a cerca de 100 quilômetros de Milagres. Os reféns, que teriam sido executados, foram enterrados ontem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.