Sobe para quatro número de mortos em naufrágio no Pará

Os corpos de duas mulheres e uma criança que estavam desaparecidos depois do naufrágio, na segunda-feira, 7, do barco Rei Salomão de Anajás em Barcarena, no norte do Pará, foram encontrados nesta terça-feira em rios da região pelos bombeiros. Agora são quatro os mortos no acidente, provocado pela colisão com uma balsa cujos proprietários estão sendo procurados pela polícia. O cozinheiro do barco, Cláudio Eber Moura, foi sepultado hoje.Logo pela manhã, mergulhadores encontraram em um compartimento da embarcação o corpo do menino Maciel da Silva Barbosa, de 7 anos. Em outra dependência do barco estava Sandra Macedo Cruz, de 33 anos. Após nova busca, no final da manhã, Irene da Silva Barbosa, 46 anos, mãe do garoto Maciel, foi encontrada em um dos camarotes. Os três corpos foram levados para o Instituto Médico Legal e depois entregues aos familiares para sepultamento em Anajás.As divergências nos depoimentos do piloto e do dono da embarcação sobre a capacidade de passageiros do Rei Salomão de Anajás - um fala em 80 e o outro em 96 - levaram os bombeiros a continuar as buscas na tentativa de localizar mais desaparecidos.A lista de passageiros afundou com o barco na hora do acidente. A polícia de Barcarena informou que 96 pessoas sobreviveram ao naufrágio. Somadas aos quatro mortos, cem pessoas pelo menos estariam dentro da embarcação. "Nasci de novo. Deus não queria que eu morresse. Foi horrível", disse Eunice Figueiredo, de 31 anos. Ela disse que mães e pais desesperados nadavam em direção à margem com crianças no colo.No começo da tarde, os bombeiros amarraram o barco num trator para tentar tirá-lo do fundo do rio. A embarcação ficou enterrada na lama, a dez metros de profundidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.