Sobrado do século XIX ameaça desabar em Salvador

Depois do desabamento de um casarão colonial na Rua do Gravatá, no centro histórico de Salvador, no início do maio, que deixou um morto, outro sobrado do século XIX, situado na Rua Visconde de Itaparica, na mesma região da cidade, ameaça ruir a qualquer momento. No local, moram 40 pessoas que se recusam a sair dizendo não ter para onde ir. O sobrado de três andares pertence à Santa Casa de Misericórdia e está localizado ironicamente a menos de 100 metros do escritório regional do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que alega não ter recursos para restaurá-lo, além de garantir que essa obrigação é do proprietário. O telhado danificado resultou em vários pontos de infiltração de água da chuva, comprometendo as paredes internas que balançam quando alguém as empurram com um pouco de força. O madeiramento do forro, assoalho e escadas também está totalmente apodrecido pela chuva e a ação dos cupins. Com isso os moradores improvisaram escoramentos internos com material inadequado como pedaços de papelão, isopor e madeirite. As péssimas condições do imóvel foram constatadas em 1997 pela Coordenação de Defesa Civil (Codesal) da Prefeitura de Salvador que condenou o sobrado e orientou os moradores a deixarem o local, mas ninguém saiu. Hoje, o diretor da Codesal, José Carlos Fernandes, informou que a prefeitura voltou a notificar a Santa Casa para que realize obras urgentes de contenção. Se isso não ocorrer até o final da semana, a prefeitura vai retirar os moradores do local com a ajuda da polícia para evitar uma tragédia. A Codesal calcula existir cerca de 200 imóveis na área do centro histórico em péssimo estado e com risco de desabamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.