Sobrevivente de naufrago diz que 'Deus' salvou sua vida

Barco com 80 naufragou na região do Rio Solimões depois de voltar de uma festa tradicional

André Alves, de O Estado de S.Paulo

04 de maio de 2008 | 20h12

Sobrevivente do naufrágio do barco Comandante Sales, no Amazonas,o vigia Francimar Evangelista Pereira, 26, casado e pai de uma menina de cinco anos, crê que "Deus" tenha preservado sua vida. Ele conta que o acidente ocorreu por volta das 5h50 de domingo e que a embarcação tinha aproximadamente 120 pessoas.   Veja Também: Embarcação com 80 passageiros naufraga no Amazonas   Segundo o vigia, o barco trafegava pelas águas do rio Solimões em "alta velocidade". Ele não soube precisar, porém, em que velocidade a embarcação corria. De acordo com ele, chovia muito no momento do acidente e o barco bateu "em alguma coisa" antes de tombar.   "É como se um carro encontrasse com outro, em alta velocidade, batesse e capotasse. Ele bateu e `capotou' ", disse. "O barco tombou bruscamente. O fundo foi para cima. Quem estava em rede, dormindo, não teve como escapar", relatou Francimar Evangelista Pereira, acrescentando que grande parte dos passageiros estava embriagada.   Conforme Pereira, só conseguiu sobreviver ao naufrágio quem foi lançado para fora do barco, antes do tombo. "O barco virou de uma vez e afundei. Até chegar à superfície tive que nadar uns três metros. Ninguém teve tempo de nada. Ninguém viu ninguém. A água é muito barrenta. Estava escuro. Quando o barco bateu, ouvi gritos. Depois, não ouvi mais nada".   Após chegar à superfície do rio Solimões, o vigia disse que nadou de volta para a embarcação, que estava com o fundo para cima. Segundo ele, "umas 70 pessoas conseguiram se salvar". "O resto foi p'ro fundo", contou.   Barcos e lanchas que retornavam da mesma festa em que os passageiros do Comandante Sales estavam conseguiram resgatar alguns sobreviventes. "Isso não vai apagar da minha mente tão cedo", comentou Francimar Pereira. "Uma amiga que estava do meu lado não consegui sobreviver".

Tudo o que sabemos sobre:
Amazonasbarco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.