Sobreviventes de avião da FAB recebem alta

Equipes de resgate têm esperanças de encontrar outros dois desaparecidos com vida

Rita Cirne , estadao.com.br

31 de outubro de 2009 | 11h40

Piloto e os mecânicos da Aeronáutica retornaram para Manaus apos o resgate. Foto: Divulgação

 

SÃO PAULO - Os seis funcionários da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) sobreviventes do acidente com o avião Cessna C-98 Caravan que estavam internados em um hospital da cidade de Cruzeiro do Sul, no Acre, já receberam alta e serão transportados neste sábado, 31, para Tabatinga, em Manaus. Os outros três passageiros encontrados - o piloto e dois mecânicos - já retornaram para Manaus, segundo a assessoria de comunicação da Força Aérea Brasileira(FAB).

Veja também:

linkSobreviventes de acidente da FAB chegam a hospital no Acre

linkFAB: avião emitiu sinal de emergência após decolagem

lista Aeronáutica e Funasa divulgam nomes de sobreviventes

Em entrevista coletiva, o Brigadeiro Souza Melo, da Aeronáutica, informou que passam bem os nove ocupantes da aeronave que foram resgatados. Os seis civis pernoitaram em Cruzeiro do Sul, no Acre, e devem seguir neste sábado em voo da FAB para Tabatinga, no Amazonas. Os três militares chegaram em Manaus na sexta-feira, onde foram recebidos por seus familiares e amigos.

Foto: Divulgação

 

Esperanças

 

O resgate das duas pessoas que continuam desaparecidas após o acidente com o C-98 Caravan da FAB, na Amazônia, é a prioridade do Comando da Aeronáutica, segundo informa o Centro de Comunicação Social da Aeronáutica. As buscas aéreas, que foram interrompidas na sexta-feira à noite, foram retomadas na manhã deste sábado, tentam encontrar João de Abreu Filho, funcionário da Fundação nacional de Saúde (Funasa), e o suboficial Marcelo dos Santos Dias, mecânico da aeronave.

 

Um helicóptero e mergulhadores fazem as buscas dos dois desaparecidos. Uma clareira já foi aberta no local e as equipes contam com botes e equipamentos de mergulho. Ainda durante a madrugada quatro militares da FAB continuaram a operação por terra e no rio Ituí durante a madrugada. Na entrevista coletiva, Melo afirmou que há indícios de que os desaparecidos possam estar vivos.

 

De acordo coma FAB, ainda não se sabe a causa do acidente, e a investigação não tem prazo para ser concluída. A tripulação do C-98 Caravan foi entrevistada pela comissão que investiga o acidente, a fim de que o maior número de dados possíveis seja coletado, para a prevenção de acidentes aeronáuticos.

Tudo o que sabemos sobre:
aviãoFABAmazônia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.