Sobrinho de deputado é preso acusado de cometer vários crimes

Agentes da Polícia Federal de Alagoas prenderam, na manhã desta sexta-feira, Gilberto Júnior dos Santos, mais conhecido como Júnior Tenório ou Júnior Cicatriz. Ele é acusado de estar envolvido em seqüestro, assassinato, assalto, latrocínio e roubo de cargas. Em entrevista à imprensa, Tenório negou ter participação nos crimes. "A única coisa que existe contra mim é um homicídio. Tive uma briga no passado e matei para não ser morto. O que está acontecendo é que a Polícia Federal e a Polícia Civil estão querendo me culpar por outros crimes", explicou Júnior Tenório, que é sobrinho do deputado estadual Francisco Tenório (PMN). Quando chegou algemado na sede da PF, o rapaz negou ter recebido informações privilegiadas para escapar do cerco da Polícia Civil. "Eu sabia que estava sendo procurado, mas não estava foragido. Continuei no meu apartamento e transitava normalmente pela cidade, até porque sou um homem de bem", disse. Acusações Segundo informações da polícia, Tenório seria procurado por ter ameaçado a delegada de Pilar, Paula Francinete, e pelo assassinato de três sergipanos que transportavam uma carga de batata doce para a cidade de Natal (RN), ocorrido em julho do ano passado. As vítimas foram mortas na estrada que dá acesso a Pilar. A carga foi roubada. Além destes crimes, Júnior Tenório é acusado pela Polícia Civil por envolvimento com quadrilhas de roubos, seqüestros e assaltos e de ter praticado latrocínios e vários homicídios em Alagoas, entre eles o de um policial militar num assalto a uma agência dos Correios no interior de Alagoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.