Sobrinho do coronel Ubiratan é vítima de seqüestro relâmpago

Depois de quase cinco horas em poder de criminosos, foi libertado no município de Taboão da serra, na Grande São Paulo, o advogado Adriano Guimarães Giannelli, sobrinho do coronel PM da reserva e deputado estadual Ubiratan Guimarães.Adriano foi seqüestrado por volta das 17h30, na região dos Jardins, zona sul da capital paulista.O coronel Ubiratan comandou a intervenção policial na Casa de Detenção do Carandiru, em outubro de 1992, que resultou na morte de 111 detentos. Ao contrário das primeiras informações veiculadas, Adriano não estava com a namorada, ao ser abordado por quatro homens em duas motocicletas, na esquina da Av. 9 de Julho com a Rua Estados Unidos. Era o irmão Sidnei Guimarães Giannelli Júnior quem lhe fazia companhia, quando as duas motocicletas interceptaram o Golf preto de sua propriedade. A principal suspeita é de que os ladrões começaram a seguir esse veículo, quando os irmãos saíram de uma agência do Banco Safra, na Av. Paulista, onde retiraram uma quantia. Irmão acionou a políciaAntes já haviam retirado dinheiro de outro banco. Eles estavam a caminho do escritório de Adriano, no bairro de Pinheiros. Após a abordagem, os dois homens que viajavam na garupa das motos desceram armados e obrigaram Sidnei a sair do veículo. Um dos assaltantes assumiu a direção do Golf e seu cúmplice sentou no banco traseiro para vigiar os movimentos de Adriano. Enquanto fugiam, Sidnei telefonou para a Polícia Militar. Guarnições da PM e agentes do Garra (Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos) realizaram buscas, sem conseguir localizá-los. Policiais do 78º Distrito Policial, nos Jardins, constataram que pelo menos um saque naquela mesma região foi feito com o cartão bancário de Adriano. Liberado pelos criminosos, ele deverá prestar depoimento naquela delegacia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.