Soldado morre em MS, após ser arrastado por 15 km

Corpo de rapaz ficou preso em caminhonete que fazia manobras radicais durante um rodeio; polícia já identificou motorista, que está foragido

João Naves de Oliveira, O Estadao de S.Paulo

07 de junho de 2008 | 00h00

Sob gritos de "vai, vai" e de "pare aí, pare aí", o motorista de uma caminhonete F-400 atropelou e arrastou por 15 km o soldado do Exército Leonardo Sales da Silva, de 19 anos, em Campo Grande, Mato Grosso do Sul. A vítima ficou presa ao eixo traseiro do veículo, deixando um rastro de sangue que atravessou cinco bairros da capital sul-mato-grossense.Um amigo de Silva, Wellington Carvalho, pegou carona e perseguiu o veículo até encontrar o corpo do soldado, já quase sem a pele. À tarde, a polícia identificou Fagner Gonçalves, de 25 anos, como responsável pelo atropelamento. Ele e outras quatro pessoas, que estavam na carroceria, encontram-se foragidas.Tudo aconteceu por volta de 3 horas de ontem, na Rua Anselmo Selingardi, no bairro Parque do Lageado, quando o motorista da caminhonete fazia manobras "radicais" na saída de um rodeio, promovido pela associação de moradores. Segundo testemunhas, no meio de um "cavalo de pau" foi que ocorreu o atropelamento do soldado, que teve as roupas presas nas ferragens. Muitos gritaram para o motorista parar o veículo, enquanto outros pediam que "arrancasse" dali. Gonçalves saiu com o carro, apesar dos gritos de desespero de Silva.Uma vendedora de lanches, que pediu para ser identificada apenas como Elza, contou que o motorista "foi para cima" das cerca de 200 pessoas que estavam saindo do local. "Fazia uma graça com o carro, quando acabou atropelando o rapaz. Mas não posso afirmar que naquele momento ele tenha visto que o moço ficou preso embaixo do veículo."Segundo o boletim de ocorrência registrado pela Polícia Civil, na carroceria do veículo estavam quatro pessoas que ainda não foram identificadas. Analisando o rastro deixado pelo criminoso, concluiu-se que o militar foi arrastado por cinco bairros. O veículo saiu do local do atropelamento, no bairro Lageado, em alta velocidade e passou pelo bairro Santo Antônio. O corpo do rapaz foi deixado, com muitos ferimentos, no Jardim Itamaracá. O carro foi abandonado na zona norte, na saída para Cuiabá (MT). A partir da localização do veículo, a polícia chegou até a residência de Gonçalves. Ele fugiu do local. As pessoas que moram nas imediações dizem não ter visto nada.Silva foi levado para o Instituto Médico-Legal (IML) da capital e deve ser enterrado hoje. Edvanildo Domingues, padrasto do soldado - que servia no 18º Belog, em Campo Grande - está inconformado. Segundo ele, o rapaz nunca se envolveu em nenhuma briga, era responsável e estava concluindo agora o ensino médio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.