Soldados da Força Nacional de Segurança chegam a Florianópolis

Em sua primeira missão, grupo auxiliou na transferência de 21 presos catarinenses para presídio federal em Rondônia

Tomás M. Petersen , Especial para o Estado

04 Outubro 2014 | 11h43

 FLORIANÓPOLIS - Os 30 soldados da Força Nacional de Segurança desembarcaram na base aérea de Florianópolis à 1h25 deste sábado, 4. Eles vieram reforçar as operações para conter os atentados que o Estado sofre desde o dia 26. Em coletiva de imprensa nesta manhã, o ministro José Eduardo Cardozo passou mais detalhes da operação, que foi nomeada de Brasil Integrado, Bravo Cidadão.

Os soldados cumpriram a primeira missão no início da manhã. Às 8h40, 21 presos catarinenses foram transferidos para uma unidade federal em Porto Velho, Rondônia. O grupo, que foi reunido de presídios de todo o Estado, é acusado de ser mandante da terceira onda de atentados.

Na coletiva, o ministro Cardozo reforçou a segurança das unidades de segurança máxima federais. “Nenhum indicador aponta que a ordem dos ataques veio da penitenciária de Mossoró”, disse, contrariando a informação da Diretoria Estadual de Investigação Criminal (Deic) catarinense. Há dois anos, 22 condenados de pertencerem à facção Primeiro Grupo Catarinense (PGC) estão confinados no Rio Grande do Norte.

O ministro também anunciou o empréstimo de equipamentos para o combate ao crime organizado no Estado: um scanner que identifica o que há dentro de veículos e um helicóptero com câmera avançada para fiscalização. Além disso, policiais farão um cinturão ao redor de Santa Catarina para “asfixiar a organização criminosa”.

Apesar da chegada dos reforços, atentados ainda ocorreram nesta madrugada. Segundo o último balanço da PM, desde o início já foram 70 ataques, 10 apreensões de materiais suspeitos, 38 pessoas detidas e 10 adolescentes apreendidos. Na noite de sexta-feira, foi preso em flagrante em Florianópolis um criminoso acusado de ser um dos líderes dos ataques do lado de fora dos presídios. Na abordagem, policiais militares encontraram um galão de gasolina e notas referentes à compra. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.