Somente córneas foram doadas

A família autorizou a doação dos órgãos de João Roberto. Os pais estavam presentes na UTI no momento em que o coração do menino parou de bater, às 20h10.Os aparelhos foram desligados depois que uma equipe do Rio Transplante esteve no hospital e retirou as córneas para doação. Como João Roberto teve uma parada cardíaca e levou 25 minutos para ser reanimado, os outros órgãos acabaram comprometidos.Pela manhã, os médicos já haviam atestado a morte cerebral, mas, pela sua pouca idade, a legislação determina que nova bateria de exames seja realizada seis horas depois. Foram feitos um eletroencefalograma, que indicou não haver mais atividade elétrica no cérebro, e um Doppler transcraniano, que constatou que não havia fluxo sanguíneo.Transferido do Hospital do Andaraí, onde passou por neurocirurgia para drenar sangue, João Roberto deu entrada no Copa D?Or por volta das 3 horas de ontem. "Ele chegou em estado grave, com sinais sugestivos de morte encefálica", disse o chefe da pediatria, Arnaldo Prata. Ao ser transportado para tomografia, o menino teve a parada cardíaca. A bala entrou pela nuca, se fragmentou no cérebro e se alojou próximo da região frontal. O garoto também foi atingido na nádega esquerda e na orelha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.