Sommer traz carnavais do passado

Desfile causou tumulto no MAM; Fórum preparou ?chuva de tops? e Osklen apostou em tecidos sustentáveis

O Estadao de S.Paulo

18 de junho de 2008 | 00h00

A 25ª edição da São Paulo Fashion Week (SPFW) começou ontem, na Bienal do Ibirapuera, abalando as estruturas. Ao meio-dia, antes de os portões se abrirem, parte do cenário no 2º andar se desmontou - e passou quase todo o dia no chão. O primeiro dia foi encerrado com tumulto e surpresa. A opção de Marcelo Sommer de fazer o desfile no Museu de Arte Moderna (MAM) deixou muita gente do lado de fora e causou zunzunzum. Veja a cobertura online do SPFW no blog criado especialmente para a semana de moda Acompanhe na TV Estadão imagens exclusivas sobre os desfiles e os bastidores do eventos Veja as análises do que vai virar tendência após ganhar as passarelas do SPFW Veja galeria de fotos completa sobre todos os desfiles e estilistas da semana de modaIsso num evento que começou de forma tranqüila, com o desfile da Osklen, às 15h30. Na primeira fila, havia a presença do estilista japonês Kenzo Takada, que viu a grife de Oscar Metsavah seguir o script do evento, que celebra o centenário da imigração japonesa.A coleção surgiu muito mais despojada do que de costume: habituada ao streetwear de luxo, desta vez enveredou por exercícios de modelagem mais arriscados. A silhueta é ampla e a ousadia fica nas matérias-primas. Os tecidos sustentáveis dão a malemolência exigida pela proposta. O mesmo vale para o algodão, o linho e a organza de seda, que ganham ainda mais leveza com cores lavadas. Segunda a desfilar, Patrícia Viera, outra vez, apresentou uma coleção com base no couro. "Não tem jeito. Eu amo as possibilidades que ele me permite", revelou a criadora. Para o verão, a estilista mesclou o material com tule, organza e seda. "O couro pode ser usado sem problemas no calor", garantiu. Para quem acredita, há na coleção shortinhos e regatas de camurça. A silhueta das peças também aparece solta. "Sempre fiz peças justas no corpo, mas resolvi inovar."Na passarela da 2nd Floor, focando, como de costume, a moda jovem, surgiram várias referências latinas, a começar pelo chapéu panamá, que estava em todos os modelos de Rita Wainer. O listrado supercolorido apareceu em vestidos volumosos e nas blusas soltas. Listras também visitaram a coleção masculina, mas verticais, usadas de forma criativa, com calças estampadas.Já no desfile da Forum Tufi Duek, "choveu" top: Michelle Alves, Isabeli Fontana, Ana Claudia Michels e Marcelle Bittar mostraram vestidos de cintura marcada, de seda, em tons de branco, areia e dourado. Inspirada nos Lençóis Maranhenses, a grife usou também estampas fotográficas, que lembravam dunas e lagoas. O verão da Forum tem apenas um tipo de sandália, no estilo gladiador. Na seqüência, Fábia Bercsek foi buscar inspiração em bonecas para brincar com a relação entre fantasia e realidade. Na passarela, foi apresentado um universo pop com peças bem secas, nos moldes das bonecas japonesas. As pregas e os volumes nos quadris e nas mangas das modelos deram um ar colegial à coleção, que contou com o preto como cor-chave no couro e no vinil. "O preto combina com tudo em qualquer época", diz Fábia.Entre as criações, algumas levaram o selo da Adidas Originals, que apareceram reconstruídos e, ao que tudo indica, serão comercializados na loja da estilista. "Adoro fazer parcerias, pois significa que confiam na qualidade do meu trabalho." Segundo a criadora, essa proposta poderá durar anos. "Estamos trabalhando a idéia de vendermos algumas roupas nas lojas Adidas Originals espalhadas pelo Brasil."Marcelo Sommer, com a grife Do Estilista, encerrou o primeiro dia de desfiles, no MAM. Quem entrou no museu acompanhou as fantasias do estilista. Anjo, bailarina, burca, bruxa, espanhola, esqueleto, empregada, enfermeira, freira, japonesa... Tinha de tudo. Como numa loja da Ladeira Porto Geral, os materiais pareciam simples e baratos, mas o efeito causou impacto.Tules, babados, bordados, brocados puderam ser vistos na maior parte dos looks.Ainda que em tradução literal, as fantasias de Sommer ocultam propostas de chemises em diferentes versões, dos clássicos (como na roupa da empregada) aos godês e drapeados - lembranças de festas de carnaval de antigamente, em que as imagens são menos sensuais e mais femininas. Na cartela de cores, além do preto (das viúvas) e branco (das noivas), muito pink, azul celeste, xadrez para os homens e um esqueleto de cristais só para completar.Hoje, desfilam Ellus, Movimento, Uma Raquel Davidowicz, V. Rom, Fause Haten, Triton e Cia. Marítima. DEBORAH BRESSER, EDUARDO DIÓRIO, VALÉRIA FRANÇA e RENATA CAFARDO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.