Sorocaba investe R$ 3 milhões para recuperar o centro

A prefeitura de Sorocaba, a 92 quilômetros de São Paulo, vai investir mais de R$ 3 milhões em um projeto de recuperação do centro. O plano inclui a reforma da Praça Coronel Fernando Prestes, a principal da cidade, e os entornos, como os bulevares Braguinha e Barão do Rio Branco. Serão reformados, ainda, o Largo de São Bento e a Praça Carlos de Campos. O projeto está pronto, mas o início das obras depende de recursos. Os serviços foram incluídos no orçamento do próximo ano. O prefeito Renato Amary (PSDB) espera que o centro volte a ser ponto de encontro das famílias sorocabanas. Ele pretende incentivar a instalação de bares, restaurantes, cinemas e teatros. A região central abriga grande parte do patrimônio histórico e arquitetônico, mas sofre acelerado processo de deterioração. A situação de abandono da praça preocupa o vereador Paulo Mendes (PMDB). "O piso de pedras portuguesas está se soltando, causando risco para os transeuntes." Além da troca do piso, a reforma vai abranger o paisagismo, a iluminação e infra-estrutura, como drenagem e serviços de apoio ao munícipe. Segundo o prefeito, a recuperação da praça faz parte de um plano mais amplo de revitalização do centro, que já foi parcialmente executado. Entre as obras realizadas estão a restauração do prédio da antiga usina a diesel da Companhia Nacional de Estamparia, transformado em usina cultural, e da ponte da Estrada de Ferro Sorocabana (EFS) sobre o Rio Sorocaba. Usina e ponte receberam tratamento paisagístico e iluminação noturna. Foram recuperados, com apoio do Governo do Estado, o prédio que abriga o Museu da Ferrovia e o Teatro São Rafael. Esse edifício, na Rua Brigadeiro Tobias, passou a abrigar os institutos municipais de Música e Teatro, com mais de dois mil alunos, e a Orquestra Sinfônica Jovem. As praças Nove de Julho, Frei Baraúna, Castro Alves e dos Bandeirantes, e os largos do Líder, do Canhão e Santa Cruz, todas na região central, foram reformados. O prédio do Mercado Municipal está sendo recuperado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.