Sorocaba retira mil famílias de áreas de risco

A prefeitura de Sorocaba, a 92 quilômetros de São Paulo, retirou 1.150 famílias de áreas de risco de inundações e deslizamentos nos últimos seisanos. A maioria foi transferida para o assentamento urbano Habiteto, em local seguro.As áreas ficam sob vigilância para evitar novas ocupaçes irregulares.Na semana passada, fiscais demoliram uma casa de alvenaria construída em área sujeita a alagamento no Jardim Abaeté. A ação preventiva tem evitado transtornos em épocas de muitas chuvas como ocorre este mês. "Os temporais não provocaram nenhum deslizamento de morros ou encostas, muito menos vítima", destaca o secretário deTransportes e Defesa Social, João Paulo Corrêa, também coordenador da Defesa Civil.Os alagamentos registrados durante este mês foram bem menores, em gravidade, queos enfrentados pela população antes desse trabalho. A adoção de contêineres para acoleta de lixo e a manutenção dos rios e córregos contribuíram para isso.A Comissão Municipal de Defesa Civil registrou 120 ocorrências neste mês. Em nenhuma delas houve a necessidade de intervenções emergenciais, como transferência das famílias ou doações de materiais como lonas, cobertores e alimentos para minimizar os problemas. Os registros apontados pela Defesa Civil, como "risco de queda de barranco", "risco de desabamento" ou "desabamento de residência", entre outros, foram de pequenasproporções, sem vítimas ou desabrigados.Em apenas um dos casos, a família foi deslocada para casa de parentes enquanto a prefeitura fazia o trabalho de remoção de terra, limpeza da via e proteção da encosta afetada do morro com lonas plásticas.Em Sorocaba há poucos pontos isolados suscetíveis de ocorrerem deslizamentos, sendo que a maioria se enquadra como eventos provocados pela ação do homem, dentre os quais podem citar-se áreas do Jardim Europa, Vila Astúrias, Vila Sabiá, Vila João Romão, Vila Zacharias, Jardim Dois Corações, Bairro dos Morros, Jardim Santo Amaro e Vila Haro. Essas áreas são periodicamente vistoriadas pela Defesa Civil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.