Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Sou da Paz pede a Maia que não vote flexibilização do desarmamento

Grupo entregou ao presidente da Câmara manifesto assinado por 57 pesquisadores da área de segurança pública

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

05 Março 2018 | 19h29

BRASÍLIA - Pesquisadores das causas da violência e representantes do Instituto Sou da Paz fizeram nesta segunda-feira, 5, um apelo ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para que não coloque em votação o projeto que flexibiliza o Estatuto do Desarmamento. A proposta ainda não tem data para ser levada ao plenário da Casa.

+++ Gusttavo Lima fala de polêmica sobre desarmamento no 'Fantástico'

O grupo entregou um manifesto assinado por 57 pesquisadores que se opõem ao afrouxamento das regras previstas no Estatuto. Os pesquisadores apresentaram um estudo mostrando que mais armas de fogo em circulação aumentam a incidência de crimes e mortes violentas.

+++ CCJ do Senado libera compra de arma de fogo por morador de área rural

"O presidente disse que não há prioridade para flexibilização do Estatuto num futuro próximo", contou o diretor-executivo do Sou da Paz, Ivan Marques.

+++ Alteração no Estatuto do Desarmamento divide internautas

Maia disse ao Broadcast Político, serviço de informação em tempo real da Agência Estado, que pretende colocar em votação antes o Sistema Integrado de Segurança Pública e o projeto costurado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, que endurece a punição para os crimes de tráfico de drogas e armas.

"Eu gostaria de construir o acordo na linha que conversei com eles, mas sempre no diálogo", declarou o presidente da Câmara.

Marques contou que Maia admitiu pressão da bancada da bala para colocar em votação a flexibilização do Estatuto e que ele contou que votou a favor do banimento da comercialização de armas de fogo no País.

O diretor do Sou da Paz acusou a bancada da bala de se aproveitar do momento de fragilidade da sociedade para tentar mudar as regras de controle do porte de armas e lembrou que iniciativas como esta acontecem desde 2004, quando o Estatuto passou a vigorar.

"Se aproveitam do medo da população para conseguir algum tipo de flexibilização. Nosso trabalho é de constante vigilância", disse Marques.

O projeto, relatado pelo deputado Alberto Fraga (DEM-DF), pretende promover mudanças sensíveis nas regras em vigor. A proposta retira o artigo que exige a obrigatoriedade da declaração da necessidade do uso da arma. Pela lei, "a autorização para o porte de arma de fogo de uso permitido, em todo o território nacional, é de competência da Polícia Federal e somente será concedida após autorização do Sinarm (Sistema Nacional de Armas)".

A legislação diz ainda que a autorização "dependerá de o requerente demonstrar a sua efetiva necessidade por exercício de atividade profissional de risco ou de ameaça à sua integridade física". Atualmente, a autorização é concedida por um delegado federal. Fraga alega que o critério de concessão hoje é "subjetivo". 

"Com o projeto, o cidadão preenche um formulário e praticamente ganha o porte de arma, tirando do governo a capacidade de controlar", concluiu Marques. 

+++ FHC diz que revogação de Estatuto do Desarmamento é 'um escândalo'; veja

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.