SP abre concurso para 147 delegados

Anúncio foi feito 15 dias após ?Estado? revelar déficit de 850 profissionais

O Estadao de S.Paulo

11 de dezembro de 2007 | 00h00

O governo de São Paulo abriu concurso para suprir o déficit de delegados de polícia e funcionários da Polícia Científica. O plano é contratar 472 delegados, peritos, médicos-legistas, fotógrafos, atendentes de necrotério, auxiliares de necropsia e desenhistas. O anúncio foi feito duas semanas depois de o Estado informar que o déficit de delegados chegava a 850, ou quase 25% do total de 3.300 profissionais existentes em São Paulo. Só na capital, esse déficit seria de 145 delegados.Com o novo concurso, a Secretaria da Segurança Pública pretende preencher 147 vagas para delegado, que serão distribuídas pela capital e pelo interior. Outros 230 sairão formados da Academia da Polícia Civil em 10 de janeiro. Desses, 147 vão trabalhar na capital. Os demais serão distribuídos entre a região metropolitana e o interior. De acordo com a secretaria, o objetivo não é ter um delegado em cada cidade do Estado, pois em algumas o volume de trabalho é tão pequeno que um mesmo policial pode cuidar de mais de uma cidade.No caso da Polícia Científica, o superintendente, Celso Perioli, afirmou que o concurso vai preencher prioritariamente as vagas de peritos criminais e médicos legistas para os novos postos de atendimento nas zonas leste e norte da capital, que serão abertos em 2008. A idéia é inaugurar um posto do Instituto Médico-Legal no Complexo Hospitalar do Mandaqui, para atender a zona norte, e abrir uma posto do Instituto de Criminalística na Fazenda da Juta, na zona leste.Peritos e legistas devem fazer um curso com duração de nove meses. "Temos atraído candidatos com mestrado e doutorado. No último concurso, tivemos 8 mil candidatos para 120 vagas", afirmou Perioli. Em relação às demais carreiras, o objetivo é suprir o déficit criado pela falta de concursos durante os últimos seis anos. Fotógrafos, desenhistas, atendentes e auxiliares serão distribuídos pelo Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.