SP cortará celulares em presídios rurais

O secretário da Administração Penitenciária, Nagashi Furukawa, disse, após reunião com operadoras de telefonia celular, que vai bloquear o sinal para aparelhos em presídios localizados na zona rural, e que representam um terço do sistema penitenciário do Estado. De acordo com Furukawa, as operadoras ainda não têm tecnologia suficiente para cortar o sinal de celular em regiões urbanas, pois isso interferiria em aparelhos de outros usuários. O celular foi a principal arma do Primeiro Comando da Capital (PCC) na articulação da maior rebelião da história do País, no domingo, que atingiu 29 unidades prisionais de São Paulo. "A possibilidade de bloquear o sinal nas áreas rurais existe e é de fácil implementação fora da zona urbana", disse o secretário. "Vou encaminhar uma relação de penitenciárias da zona rural para as operadoras e, em um prazo muito curto, o sinal poderá ser bloqueado." Furukawa disse ainda que entrará em contato com a Anatel, para iniciar um possível processo de bloqueio de sinais de celulares em presídios da zona urbana.As operadoras que participaram da reunião, Telesp/Celular, BCP Telecomunicações, Tess e Nextel, comprometeram-se a buscar tecnologias para o corte do sinal em complexos como o do Carandiru, por exemplo. Ainda não há previsão de quando essa tecnologia estará disponível. De acordo com o secretário, o corte do sinal de celular nas penitenciárias do interior paulista não vai trazer gastos para o Estado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.