SP deixa de investir em corredores

Em 4 anos, Prefeitura gastou só 44% do que previa no orçamento

Felipe Grandin, O Estadao de S.Paulo

28 de abril de 2009 | 00h00

Nos últimos quatro anos, a Prefeitura de São Paulo investiu menos da metade da verba prevista no orçamento para corredores e terminais de ônibus. De um total de R$ 1,2 bilhão, foram empenhados (comprometidos para gasto) R$ 559 milhões, o equivalente a 44%. Isso significa que deixaram de ser investidos R$ 715 milhões, o suficiente para construir cerca de 70 km de corredores ou 27 terminais como o Campo Limpo, na zona sul. Os dados foram extraídos do site da Secretaria Municipal de Planejamento, que disponibiliza informações desde 2005. A Assessoria de Imprensa da Prefeitura não respondeu às questões da reportagem.Nesse período, a gestão dos prefeitos José Serra (PSDB) e Gilberto Kassab (DEM) inaugurou apenas um corredor, o Expresso Tiradentes, antigo Fura-Fila. Com 8,5 km, o trecho liga o Terminal Mercado, na região central, ao Terminal Sacomã, na zona sul.Nos dois anos em que ficou à frente da Prefeitura, Serra foi responsável pelo menor e pelo maior níveis de execução orçamentária em corredores e terminais. Em 2005, aplicou R$ 41 milhões - 13,9% do orçamento para a área. Em 2006, candidato a governador, o investimento quintuplicou, para R$ 219 milhões, ou79,8% do previsto.Em 2007, quando ocupou o governo pela primeira vez durante um ano inteiro, Kassab diminuiu a verba para R$ 204 milhões (54,5% do orçado). Em 2008, candidato à reeleição, o prefeito cortou o investimento pela metade, para R$ 94 milhões (28,6%).O Expresso Tiradentes consumiu a maior parte dos investimentos para corredores nos quatro anos analisados. Só nos últimos dois anos foram aplicados R$ 236 milhões. O orçamento não mostra os valores investidos em 2005 e 2006, pois não havia dotação própria.Além do Expresso Tiradentes, o investimento mais relevante da Prefeitura em corredores foram os R$ 21 milhões aplicados na ampliação e reforma do José Diniz-Ibirapuera, na zona sul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.