SP estuda proibir motos na via expressa das Marginais

No esforço para reduzir os acidentes com moto, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) estuda criar uma faixa exclusiva para eles nas vias onde mais esses acidentes ocorrem, as marginais do Tietê e do Pinheiros. Mas há outra possibilidade alternativa: proibir que usem a pista expressa dessas vias. Só no primeiro semestre do ano passado, ocorreram 14 mortes de motoqueiros na Marginal do Tietê, dez na Avenida Senador Teotônio Vilela, na Zona Sul, e sete na Marginal do Pinheiros. A CET constatou que nas pistas expressas das Marginais ocorrem três vezes mais acidentes do que nas locais. O volume de tráfego de motos nas duas pistas é praticamente igual. Por que, então, a diferença? O principal motivo é a velocidade permitida, maior na expressa: 90 km/h. Na local, é 70. A CET passou a colocar faixas nas Marginais, pedindo que os motoqueiros usem a via local. O apelo é de difícil assimilação para uma categoria - os motoboys - que correm atrás do ganha-pão. Quanto mais entregas fazem (de documentos a pizzas), mais ganham. O presidente do Sindimoto, dos motoboys, Aldemir Martins, o Alemão, acha "ótima" a criação de faixa exclusiva para duas rodas nas Marginais. Mas não concorda com que se proíba o trânsito de motos na via expressa. "Prefiro campanhas de conscientização." Em outra via com muitas motos, a Av. 23 de Maio, a criação de mais uma faixa de trânsito deixou muita gente preocupada. Com a nova faixa, o corredor entre os carros - por onde passam as motos - ficou mais estreito. Os acidentes poderiam aumentar. A CET diz que ocorreu o contrário. Motoqueiros estão correndo menos no corredor, por medo de acidentes. Alemão diz que isso só acontece com os mais experientes. "A garotada de 18, 19 anos não tem medo. É um desafio para a adrenalina deles."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.